Sérvia pede resposta a fronteira croata fechada a caminhões

"Nosso país espera uma reação de Bruxelas para uma solução o mais rápido possível para o problema", disse Ljajic, ministro do Comércio sérvio

Belgrado – A Sérvia pediu nesta segunda-feira à União Europeia (UE) uma “urgente reação” no fechamento por parte da Croácia de sua fronteira para o tráfego de caminhões, uma decisão que considerou uma violação flagrante dos acordos comunitários.

“A Croácia, como membro da UE, deve respeitar todas as disposições do Acordo de estabilização e associação entre Sérvia e a União”, indicou o ministro do Comércio sérvio, Rasim Ljajic, em carta ao comissário europeu de Ampliação, Johannes Hahn.

“Por isto, nosso país espera uma reação de Bruxelas para uma solução o mais rápido possível para o problema”, disse Ljajic em comunicado, e acrescentou que na passagem fronteiriça de Batrovci/Bajakovo as filas de caminhões alcançam cerca de dez quilômetros.

Ljajic perguntou “quem compensará os enormes danos que por este bloqueio sofrem a economia e os exportadores sérvios, levando em conta que grande parte das mercadorias nos transportes parados são perecíveis e com curta data de duração”.

Segundo o ministro, a Croácia não pode justificar sua decisão com razões de segurança e pela crise migratória.

A Croácia fechou sem explicação na meia-noite passada para o tráfego de caminhões a única passagem fronteiriça que ainda tinha aberto com a Sérvia, após o fechamento de outros sete pela crise dos refugiados.

Os automóveis circulam com normalidade por esse passagem, na estrada que leva de Belgrado a Zagreb, enquanto os caminhões entram na Sérvia desde o lado croata.

Na semana passada, a Croácia fechou sete das oito passagens fronteiriças com a Sérvia depois que milhares de refugiados do Oriente Médio começaram a entrar desde esse país, por uma nova rota para o destino final: Alemanha e outros países ocidentais.

Os refugiados seguem entrando pelo sul da Sérvia, na zona de Presevo, desde a Macedônia, outro país da rota balcânica que começa na Grécia.

A rota balcânica foi desviada para a Croácia após que a Hungria selasse sua fronteira com a Sérvia com uma robusta cerca de cerca e adotou duras leis contra os imigrantes.

Mais de 200 mil pessoas passaram por essa rota nos meses passados.