Senador John McCain diz não apoiará ação limitada na Síria

Senador republicano tem dúvidas se deve apoiar tal intervenção se esta for limitada demais

Washington – O senador republicano John McCain, a quem o presidente dos EUA, Barack Obama, recorreu para obter apoio no Congresso para uma ação militar na Síria, disse nesta terça-feira que tem dúvidas se deve apoiar tal intervenção se esta for limitada demais.

McCain, entrevistado no programa “This Morning” da rede “CBS”, disse que “este é um momento crítico” para que os Estados Unidos atuem militarmente contra o regime sírio e que “a menos que os Estados Unidos respondam, nossa palavra não terá valor algum”.

O senador, que por meses pediu ao Governo de Obama que forneça instrução militar e armamento a alguns dos rebeldes que combatem contra o presidente Bashar al-Assad, acrescentou que Obama não deveria ter procurado a autorização do Congresso para tal ação.

Entrevistado no programa “Today” da emissora “NBC”, McCain disse que não pode apoiar “algo que possa estar condenado ao fracasso a longo prazo”, disse.

McCain insistiu que não tem certeza se apoiará uma resolução do Congresso que autorize Obama a usar força militar, e que prefere revisar os planos para assegurar que são suficientemente agressivos.

“Já estou falando com muitos dos meus colegas, mas antes que eu os convença para que deem seu apoio, eu tenho que estar persuadido”, sustentou McCain, que ontem doi à Casa Branca com a senadora republicana da Carolina do Sul, Lindsay Graham, para uma reunião com Obama.

“Uma resposta débil é quase tão ruim como que ficar sem resposta”, assinalou, referindo-se à reação dos EUA e da comunidade internacional ao suposto uso de armas químicas por parte do regime de Assad.

Pelo contrário, vários membros do Congresso, entre eles o senador democrata Patrick Leahy, de Vermont, assinalaram que só apoiarão uma autorização para o uso de força limitar se se tratar de uma ação limitada na Síria.