Senado rejeita medida do plano de emprego de Obama

A medida pretende ajudar os estados americanos a contratar novos professores, socorristas e policiais por um custo de 35 bilhões de dólares

Washington – O Senado dos Estados Unidos rejeitou na noite de quinta-feira uma medida do plano de emprego do presidente Barack Obama que pretende ajudar os estados a contratar novos professores, socorristas e policiais por um custo de 35 bilhões de dólares.

A medida precisava de 60 votos para evitar as táticas de bloqueio e permitir uma análise do texto, mas apenas 50 senadores votaram a favor e outros 50 foram contrários. Os democratas têm maioria no Senado, mas os republicanos dispõem de uma minoria com capacidade de bloqueio.

Os republicanos são contra a medida porque os democratas do Senado projetam o financiamento com um aumento de impostos dos milionários.

No dia 11 de outubro, o Senado rejeitou o plano do presidente em seu conjunto, de 477 bilhões de dólares, que buscava estimular o crescimento e o emprego.

O presidente e seus aliados decidiram então tentar a aprovação das medidas caso por caso.

Mas a minoria republicana voltou a barrar o caminho do projeto de Obama, com o apoio de alguns democratas.

Obama se esforçou durante a semana para tentar a aprovação, com três dias de viagem ao longo de 1.000 km, da Carolina do Norte a Virginia, para tentar convencer a opinião pública sobre a necessidade de seu plano.