Senado dos EUA aprova projeto que adia fim de Guantánamo

Projeto de lei exige também exige armamento das forças da Ucrânia e previne o fechamento de bases do exército

Washington – O Senado dos Estados Unidos aprovou um projeto de lei de política de defesa de US$ 612 bilhões, muito criticado pelo governo, que exige o armamento das forças da Ucrânia, previne o fechamento de bases do exército e dificulta para o presidente do país, Barack Obama, o fechamento da prisão na Baía de Guantánamo, em Cuba, aonde estão detidos suspeitos de terrorismo.

O Senado conseguiu a aprovação da lei com o voto de 71 senadores, contra 25 que se opuseram.

O senador do Partido Republicano, John McCain, presidente do Comitê de Serviços Armados do Senado, pediu aos seus colegas que deixassem de lado as opiniões divergentes em relação aos gastos do governo e que aprovassem a medida, que autoriza o uso de verbas que Obama havia direcionado para o Pentágono e outros programas de segurança nacional.

McCain afirmou que o mundo está mais perigoso do que em 2011, quando iniciaram os cortes de gastos na área de segurança.

“O Oriente Médio está literalmente pegando fogo”, disse, acrescentando que qualquer senador que se recusa a apoiar a medida por questões de disputa orçamentária está com as prioridades invertidas.

O projeto de lei, que agora precisa ser ajustado, prevê um aumento de 2,3% nos salários dos soldados do exército norte-americano.

Também inclui medidas para garantir uma melhor prestação de contas e coibir o excesso de custos, além de reafirmar a proibição de métodos de tortura contra os prisioneiros.

O governo é contra a medida, pois, segundo o Secretário de Defesa, Ash Carter, ignora a necessidade de alocar recursos para o desenvolvimento de programas de armamento e maneja mal o orçamento.

O governo também não apoia o projeto de lei, pois dificulta a transferência dos 116 presos na Baía de Guantánamo – o presidente prometeu o fechamento da prisão.

Além disso, a medida força Obama a prover assistência crucial para as forças da Ucrânia, que lutam contra os separatistas apoiados pela Rússia, algo que o governo até agora não fez. Fonte: Associated Press.