Secretário de Justiça diz que morte de Bin Laden não foi assassinato

Segundo Eric Holder, operação "foi um ato de legítima defesa nacional"

Washington – O secretário de Justiça dos Estados Unidos, Eric Holder, afirmou nesta quinta-feira que a ação que matou Osama bin Laden não foi um assassinato, e sim um ato de legítima defesa nacional, e que a rendição do líder terrorista teria sido aceita se tivesse existido essa possibilidade.

“O que aconteceu a Bin Laden não foi um assassinato. A operação aconteceu para evitar vítimas civis”, afirmou Holder à BBC.

“Sua rendição teria sido aceita se fosse possível, mas iríamos arriscar colocar em risco a vida dos corajosos SEALS (os membros do comando das forças especiais americanas que executaram a operação)”, afirmou à rádio britânica.

“Foi um ato de legítima defesa nacional”, completou.

O procurador-geral destacou que nada permitia acreditar que o líder da Al-Qaeda se entregaria e que era possível que vestisse um colete com explosivos.

“Era uma missão para matá-lo ou capturá-lo. Se houvesse a possibilidade de uma rendição, teria acontecido. Mas tínhamos, sobretudo, em mente a proteção das forças que entraram no complexo”, afirmou Holder.

“Era um homem que havia jurado nunca ser capturado vivo e havia indicações de que poderia usar um colete explosivo e de que poderiam existir armas no quarto em que estava”, destacou.

Bin Laden, o homem mais procurado do mundo desde os atentados de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, foi morto por um comando especial das forças americanas em 2 de mayo na cidade paquistanesa de Abbottabad, onde se acredita que viveu durante vários anos.

Os filhos de Bin Laden denunciaram o “assassinato arbitrário” do pai e consideraram “degradante e humilhante” para a família que o corpo tenha sido jogado no mar.

Em um comunicado enviado ao The New York Times, eles questionam por quê o pai “não foi detido e julgado para que os povos do mundo conhecessem a verdade”.