Ryan: Tiroteio na Florida não pode ameaçar direito de ter armas

O presidente da Câmara dos Representantes defendeu o atual governo, que teve o primeiro ano de mandato marcado por massacres como o de Las Vegas

Washington – O presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, o republicano Paul Ryan, argumentou nesta quinta-feira que o “terrível tiroteio” de ontem em uma escola da Flórida, no qual pelo menos 17 pessoas morreram, não pode ameaçar o direito dos cidadãos de possuir armas.

“Não acredito que devemos levantar o debate para retirar os direitos dos cidadãos. Obviamente esta conversa geralmente chega a este ponto. Neste momento acho que precisamos respirar e coletar os fatos”, disse Ryan em uma entrevista concedida na manhã de hoje à emissora “WIBC” de Indiana.

O congressista apontou que, antes de tomar medidas, é necessário saber quais leis foram violadas e quais foram as motivações que supostamente levaram o ex-aluno Nikolas Cruz, de 19 anos, a perpetrar o massacre armado com um fuzil e vários carregadores em seu poder.

“Por enquanto, temos mais perguntas do que respostas”, insistiu o republicano.

Ryan não hesitou em defender o atual governo, que foi criticado por não mostrar uma postura mais firme ao longo do primeiro ano de mandato, marcado por massacres como o de Las Vegas, que em outubro do ano passado teve 59 mortos, e os 17 tiroteios em escolas já ocorridos em 2018.

“Não é como se nada tivesse sido feito para fazer cumprir as leis, ou como se não tivéssemos feito o necessário para evitar que pessoas más – que não devem adquirir armas – comprem pistolas”, justificou o presidente da Câmara de Representantes.

Na manhã desta quinta-feira, o presidente Donald Trump utilizou sua conta pessoal no Twitter para se referir ao tiroteio em Parkland, no qual 15 pessoas também ficaram feridas, e pedir aos cidadãos que relatem às autoridades quando detectarem um “comportamento errático” como o mostrado por Cruz.