Rússia usa imagem de videogame para provar ajuda dos EUA ao EI

O Ministério russo da Defesa publicou em suas contas oficiais de Twitter e Facebook várias imagens aéreas da fronteira entre Síria e Iraque

O Exército russo publicou nesta terça-feira (14) imagens que apresentou como provas “irrefutáveis” de que os Estados Unidos ajudam o grupo Estado Islâmico (EI) no Oriente Médio, mas ativistas e usuários das redes sociais assinalaram que incluíram uma captura de tela de um videogame.

O Ministério russo da Defesa publicou em suas contas oficiais de Twitter e Facebook, assim como em um comunicado que a AFP recebeu, várias imagens aéreas em preto e branco feitas na fronteira entre Síria e Iraque em 9 de novembro, segundo o organismo.

Estas supõem “a confirmação irrefutável de que os Estados Unidos, enquanto fingem para a comunidade internacional uma luta implacável contra o terrorismo, garantem proteção a unidades do Estado Islâmico”, afirma o ministério em seu comunicado.

Mas a ONG Conflict Intelligence Team (CIT), seguida por vários internautas, vinculou uma dessas imagens ao jogo de videogame “AC-130 Gunship Simulator: Special Ops Squadron”.

Segundo a CIT, outras imagens procedem de vídeos divulgados pelo ministro iraquiano do Interior em 2016 e nelas são vistos bombardeios aéreos dos extremistas.

A AFP comparou as imagens anexas ao comunicado do ministério russo com as imagens do videogame no YouTube e confirmou a opinião.

O ministério apagou depois as imagens de suas contas no Twitter e no Facebook, assinalou que houve um “erro” e publicou um novo pacote de fotos que chamou de “prova irrefutável” da ajuda dos Estados Unidos ao EI.

“O Ministério da Defesa está investigando um funcionário civil do departamento que anexou as fotos ao comunicado do ministério por erro”, segundo um novo comunicado citado por agências russas.

A embaixada americana em Moscou reagiu no Twitter dizendo que os “Estados Unidos não dedicarão tempo às reivindicações sem sentido do Ministério russo da Defesa”.

“Temos que nos concentrar em destruir o nosso inimigo comum e não brincarmos”, acrescentou.

O Exército russo, que intervém na Síria em apoio ao governo de Bashar al-Assad, acusou Washington de “fazer como se” combatesse os extremistas com o objetivo de “complicar” o avanço das tropas do governo, algo que o Pentágono nega.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. lissandro leite

    Óbvio que EUA apóia Daesh direta ou indiretamente via Arábia saudita ou Israel, no período intenso de guerra na Síria foram encontrados diversos mercenários com diferentes nacionalidades pagos via Israel ou CIA, e aínda foram pegos militares americanos com integrantes do Daesh além de armas reconhecidamente americanas ou israelenses que estavam nas mãos do Daesh, a mídia chapa branca da a narrativa obscura de não revelar os interesses por trás desta e tantas outras guerras assim como a mídia vira lata brasileira de torna um mero repetidor de Taís interesses corporativos internacionais do ocidente além de não primar por um verdadeiro jornalismo investigativo ou de opinião se comportando como um mero papagaio de pirata

  2. Aqui estou mais um dia

    Eu só sei que não sei de nada e, não entendi nada.

  3. Aqui estou mais um dia

    Eu só sei que não sei de nada e, não entendi nada.