Rússia nega que vá dar asilo a Assad

As informações de que Moscou estaria disposta a dar refúgio ao líder seriam uma ''tentativa maliciosa'' de confundir os envolvidos com política externa

Moscou – O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, negou nesta quinta-feira que seu país tenha a intenção de conceder asilo ao presidente sírio, Bashar al Assad.

As informações de que Moscou estaria disposta a dar refúgio ao líder seriam uma ”tentativa maliciosa” de confundir os envolvidos com política externa ”ou simplesmente foram divulgadas por que não conhece a postura da Rússia”, disse Lavrov em entrevista coletiva ao fim de suas conversas com o ministro da mesma pasta alemão, Guido Westerwelle.

O político ressaltou que, como se registrou no comunicado da conferência internacional de paz sobre a Síria, realizada no fim de semana em Genebra, ”só o povo sírio pode decidir sobre o futuro da Síria e de seus dirigentes”.

Lavrov lembrou que em 1º de junho, durante a visita do presidente russo, Vladimir Putin, a Berlim, as autoridades alemãs lhe disseram que ”seria bom que a Rússia desse asilo a Assad”.

”Interpretamos isso como uma piada, e por isso respondemos com uma piada também: ”Melhor vocês, alemães, ficarem com o senhor Assad, sempre que ele quiser ir”. Achei que ficaria nisso, em uma piada”, acrescentou.

Depois de afirmar que ”aos jornalistas o que mais interessa é saber quem vai ficar com ele (Assad)”, o chefe da diplomacia russa opinou: ”É inútil falar disso até que os sírios se sentem para negociar”.

Lavrov comentou que Moscou e Berlim concordam que o conflito sírio deve ser resolvido pela via política, mas destacou que divergem ”sobre como chegar a esse resultado”.

”Mas somos unânimes em dizer que é preciso fortalecer a pressão internacional sobre todas as partes sírias”, concluiu.