Rússia não apoia zona de exclusão aérea na Síria

País tachou de ''contraproducente'' a criação de corredores humanitários ou zonas de segurança

Moscou – A Rússia considera contraproducentes a criação de uma zona de exclusão aérea e de corredores humanitários na Síria, declarou nesta sexta-feira o vice-ministro de Relações Exteriores russo, Gennady Gatilov.

Também tachou de ”contraproducente” a criação de corredores humanitários ou zonas de segurança e lembrou que ”estas ideias não têm o apoio das organizações humanitárias que trabalham na Síria”.

Assim respondeu o diplomata russo a algumas das propostas da opositora plataforma Conselho Nacional Sírio (CNS) durante a abertura nesta sexta-feira da chamada conferência ”Amigos do Povo Sírio”.

Gatilov reiterou que a zona de exclusão aérea sobre a Líbia causou muitas vítimas civis e graves prejuízos à economia do país norte-africano.

”Insistimos em uma investigação objetiva das ações da Otan no céu sobre a Líbia para não permitir graves violações das resoluções do Conselho de Segurança no futuro”, ressaltou o vice-ministro.