Rússia está prestes a descriminalizar violência doméstica

Todo ano, mais de 12 mil mulheres são mortas pelos próprios maridos no país

“Imagine isto: uma mulher apanha de seu marido e presta queixa, fazendo com que ele tenha de pagar uma multa. Ele paga com o dinheiro da família, vai para casa e grita com ela por ter reclamado.Você pode ter certeza que, na próxima vez, ela só vai tentar esconder suas cicatrizes e roxos, e não vai reclamar”, conta Alena Popova, ativista russa, ao jornal britânico The Guardian.

Na Rússia, a chamada “lei do tapa” pode fazer dessa situação hipotética uma realidade, descriminalizando a violência doméstica muito em breve. Na última semana, o parlamento do país já aprovou esta mudança.

Os defensores do projeto – conservadores do partido de Vladimir Putin -, dizem acreditar que agressões “moderadas” são importantes para a sustentação de valores “tradicionais”.

De acordo com a nova lei, será necessário haver, no período de um ano, mais de uma agressão ao mesmo membro de uma família para que isto seja considerado um crime.

Caso contrário, não passará de uma “ofensa administrativa” ou contravenção – uma forma de dizer que, além de não ser penalizado, o indivíduo recebe uma penalização mais branda.

De acordo com a agência estatal de notícias RIA Novosti, todo ano 12 mil russas morrem por conta da violência doméstica. No país, há uma expressão que diz que “se ele te bate, é porque ele te ama”. O avanço da nova lei comprova como esse tipo de discurso é difundido – e o quanto ele pode ser perigoso.

No site change.org, Popova organizou uma petição contra a mudança na lei. Até agora, ela já conta com quase 200 mil assinaturas.

Campanha russa sobre violência doméstica Campanha russa sobre violência doméstica

Campanha russa sobre violência doméstica (Change.org/Divulgação)

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. belo e moral

  2. Felipe Assis Brasil

    LEI DO TAPA”
    Bem vindo a era do Trump, do Bolsomito, da intolerância.
    Na Rússia eles possivelmente terão uma cota de agressão anual para que maridos possam dar um corretivo nas suas mulheres, pois, afinal, é uma prática importante para a preservação dos valores “tradicionais”.
    Me ajudem a completar isso, mas até onde eu já aprendi, os valores “tradicionais” são:
    – homem manda, mulher obedece;
    – pessoas do mesmo sexo se amando é uma ofensa;
    – pessoas que não se identificam com seu gênero não merecem respeito;
    – mulher ter que ser recatada e do lar;
    – mulher não deve usar roupa provocativa, do contrário, merece ser estuprada;
    – mas só deve ser estuprada se for bonita;
    – gays são pedófilos e pecadores e se for para ser gay, que não seja afeminado;
    – imigrantes são um perigo;
    – Deus acima da política e dos direitos fundamentais humanos;
    Vou parar por aqui antes que eu vomite.
    S.O.S MUNDO

  3. Rafael Pereira

    A culpa é do Trump e do Bolsonaro (que nunca foi presidente)? Entendi.

  4. Rodrigo Sousa Tavares Wolski

    Felipe Assis

    Tua falta de informação, e pelas palavras, deve ser pró partidos a pessoas que sim estão pouco se lixando para as mulheres.

    Bolsonaro, e o cara que quer rigidez maior em penas desta magnitude seu animal, preste atenção não na mídia que quer ver a imoralidade do estado.

    Leia mais, busque mais, deixe de ser alienado rapazinho.

  5. Quell Queiroz

    Felipe Assis falando merda.
    Palavras de quem só pensa na política e a julga por questões morais.
    procura se informar, cara.

  6. Tiago Azevedo

    Felipe Assis era do Trump Bolsonaro da intolerância? qunatos anos vc tem cara? 4? para de ser alienado!

  7. Sarutobi sama

    Você diz como se bolsonaro e trump apoiam-se a russia ou putin. Pesquise a opnião dos dois antes de envolve-los e algo que possivelmente não concordam.

  8. Milândia Araújo

    Estamos diante de um gigantesco retrocesso nos direitos das mulheres no mundo inteiro.
    Somos maioria, e ainda assim assistimos de camarote
    esses violentadores cometerem essas atrocidades legislativas.
    Acorda mulherada.