Rússia descarta intervenção nos assuntos internos da Ucrânia

Rússia descartou a possibilidade de interferir nos assuntos internos da Ucrânia

Moscou – A Rússia descartou nesta quarta-feira a possibilidade de interferir nos assuntos internos da Ucrânia, onde a população na península pró-russa da Criméia questiona a legitimidade das novas autoridades em Kiev.

“A Rússia declarou e insiste em sua postura sobre que não temos direito e não podemos nos intrometer nos assuntos internos de um Estado soberano”, disse a presidente do Senado russo, Valentina Matvienko.

Suas declarações praticamente coincidiram com as acusações de três ex-presidentes da Ucrânia, Leonid Kravchuk, Leonid Kuchma e Viktor Yushchenko, que denunciaram a intervenção da Rússia nos assuntos internos ucranianos, em particular na Criméia.

“A Rússia, que todo o tempo tacha de “ingerência” nos assuntos internos da Ucrânia os esforços de nossos parceiros internacionais por normalizar a situação por meios pacíficos, recorre agora à intervenção direta na vida política na Criméia”, afirmaram os ex-presidentes em uma declaração conjunta.

Segundo eles, as “ideias” dos representantes da Duma (Câmara dos Deputados da Rússia) em torno da convocação de um referendo sobre a unificação da Criméia à Rússia “devem ser consideradas como chamadas a destruição da ordem constitucional e da integridade territorial da Ucrânia”

Valentina, por sua vez, chamou de “inoportuna” a iniciativa proposta recentemente pelo ultranacionalista Partido Liberal Democrático da Rússia, que queria facilitar a concessão de cidadania russa para os russos que vivem na Ucrânia.

“Essa lei agora é inoportuna, não devemos dar a ninguém argumentos para (alimentar) tendências separatistas”, apontou.

No entanto, “em um futuro, pensaremos nisso sem dúvida. Não podemos ignorar o destino dos cidadãos russoparlantes da Ucrânia, que só na Criméia são 60%” da população, completou a presidente do Senado russo.

Alguns analistas alertam sobre a possibilidade das regiões orientais pró-russia proclamarem desobediência às novas autoridades e iniciarem um processo separatista após a destituição de Viktor Yanukovich como presidente.

Valentina reiterou a postura do Kremlin de que Yanukovich, ainda em paradeiro desconhecido, é o legítimo chefe de Estado.

“Quando todos os procedimentos legítimos da destituição do presidente forem cumpridos, ele deixará de ser presidente legítimo”, completou a presidente do Senado russo, Valentina Matvienko.