Roma e Londres compartilharão informações sobre sequestro

Operação terminou com morte dos reféns e gerou mal estar entre os governos dos dois países

Copenhague – Os ministros de Relações Exteriores do Reino Unido, William Hague, e da Itália, Giulio Terzi, diminuíram nesta sexta-feira a tensão entre seus países e acordaram compartilhar de forma urgente toda a informação sobre a tentativa de resgate de dois sequestrados realizada na Nigéria e que terminou com a morte dos reféns.

Hague e Terzi, que se reuniram à margem da reunião de titulares de Relações Exteriores europeus realizada em Copenhague, emitiram uma declaração conjunta sobre o assunto.

‘Os ministros coincidiram na urgência de compartilhar toda a informação para facilitar a reconstrução e a compreensão destes fatos’, diz o texto.

O documento representa uma tentativa de diminuir a tensão, depois que o presidente da República italiana, Giorgio Napolitano, classificou como ‘inexplicável’ o comportamento do Governo britânico, que só avisou Roma quando a operação já estava em curso.

Segundo Londres, não foi possível advertir Roma sobre a ação porque a prioridade foi tentar certificar uma ‘libertação segura’ dos reféns, o britânico Christopher McManus e o italiano Franco Lamolinara.

Os sequestrados, funcionários da empresa de construção italiana Stabilini Visinoni, foram detidos no dia 12 de maio na cidade de Birnin Kebbi (noroeste da Nigéria), e segundo disse na quinta-feira o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, os dois morreram nas ‘mãos de seus seqüestradores’ antes da libertação.

‘Os dois ministros transferiram sua solidariedade e suas condolências às famílias (…) e reafirmaram que o Reino Unido e a Itália continuarão trabalhando juntos na luta contra o horrível terrorismo e os sequestros’, diz o comunicado pactuado pelos dois Governos.