Rival de Netanyahu rejeita conversas sobre governo de união em Israel

Partido Azul e Branco disse as condições ainda não são ideais para se realizar negociações eficazes entre as siglas e seus líderes

As conversas para a formação de um governo de união nacional em Israel se depararam com um novo obstáculo nesta terça-feira, 1, depois que o rival eleitoral de centro do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu cancelou uma reunião com o líder.

No domingo, Netanyahu disse que faria um último esforço nesta semana para chegar a um acordo e que provavelmente se encontraria com o adversário Benny Gantz na quarta-feira, depois de novas negociações entre seus partidos.

No mesmo dia, o Azul e Branco, partido de Gantz, disse que iria “fazer qualquer reunião e não poupar esforços” para montar um governo de união ampla. Mas nesta terça-feira a legenda de centro disse que as condições ainda não são ideais para se realizar negociações eficazes entre as siglas e seus líderes.

A eleição inconclusiva de 17 de setembro, a segunda neste ano, criou um impasse político e enfraqueceu o premiê israelense há mais tempo no cargo. Assombrado por um possível indiciamento devido a alegações de corrupção que ele nega, Netanyahu ficou aquém de uma vitória eleitoral clara duas vezes em seis meses.

Seu partido de direita Likud ficou em segundo lugar e obteve 32 das 120 cadeiras do Parlamento, e o Azul e Branco do ex-chefe militar Gantz conseguiu 33.

Os negociadores dos partidos se encontraram no domingo sem sucesso, e cada lado culpou o outro pelo impasse.

Como nenhum dos líderes partidários parece capaz de forjar uma coalizão majoritária por conta própria, na semana passada o presidente de Israel encarregou Netanyahu de formar o novo governo na esperança de assegurar um acordo de divisão de poder entre o Azul e Branco e o Likud.