Rio de Janeiro lança plano de preservação urbana

Áreas como o calçadão de Copacabana, o parque de Flamengo, o morro do Pão de Açúcar e o Parque Nacional da Tijuca estão entre as que serão beneficiadas

Rio de Janeiro – A Prefeitura do Rio de Janeiro anunciou nesta sexta-feira uma série de medidas inspiradas em um projeto realizado em Barcelona para preservar as paisagens da cidade, que no domingo foram incluídas na lista do Patrimônio Mundial da Unesco.

Áreas como o calçadão de Copacabana, o parque de Flamengo, o morro do Pão de Açúcar e o Parque Nacional da Tijuca estão entre as que serão beneficiadas com as medidas de preservação, segundo um decreto publicado neste domingo no Diário Oficial.

A Prefeitura também anunciou a criação do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade para administrar os projetos anunciados.

Igualmente será criado um fundo para financiar as obras de restauração de imóveis localizados nas chamadas Áreas de Proteção de Ambiente Cultural (Apac).

O até agora subsecretário municipal de Patrimônio, Washington Fajardo, que será o presidente desta nova instituição, disse em declarações ao jornal “O Globo” que esta iniciativa é baseada em um projeto realizado em Barcelona com “bastante sucesso”.

Fajardo explicou que o Governo municipal destinará recursos para colaborar em iniciativas privadas de restauração de imóveis em zonas protegidas.

“A restauração é um fenômeno cultural que contribui para a paisagem da cidade”, disse.

A partir de agora os organizadores de eventos realizados nas paisagens consagradas pela Unesco terão que pagar uma taxa que será incorporada ao Fundo Municipal de Conservação do Patrimônio Cultural.

Outra proposta é a instituição do primeiro de julho, quando a Unesco anunciou sua decisão, como Dia Municipal de Rio Patrimônio da Humanidade.

A Unesco incluiu no domingo o Rio de Janeiro e outros 25 lugares na Lista do Patrimônio Mundial, por isso que realizarão inspeções periódicas para comprovar que a paisagem da cidade é conservada.