Rio+20: Brasil quer modelo sustentável nos países ricos

O tema dos modelos de produção e de consumo será crucial na conferência, afirmou o o negociador brasileiro sobre o clima

Pequim – Os países ricos têm a responsabilidade de optar por modelos de desenvolvimento sustentáveis para preservar o planeta que sirvam de exemplo para as demais naçõs, afirmou nesta terça-feira em Pequim o negociador brasileiro sobre o clima.

O tema dos modelos de produção e de consumo será crucial na Conferência da ONU sobre o Desenvolvimento Sustentável Rio+20 (junho de 2012), recordou o diplomata André Corrêa do Lago, um dos responsáveis por organizar a conferência, 20 anos depois da Rio-92.

“Seguindo uma lógica absurda, os países ricos caem na tentação de enviar a seguinte mensagem às nações emergentes: não tentem viver como nós, já que isto destruiria o planeta”, declarou Corrêa do Lago.

De acordo com ele, a postura está “muito fixada no subconsciente de vários países ricos”.

“Acreditamos que os países desenvolvidos devem fazer um grande esforço para obter esquemas de produção e de consumo sustentáveis, e depois nós adotaremos igualmente estes sistemas”, disse o diplomata, que considerou “inadmissível” que exista uma “primeira classe” para países ricos e uma “segunda” para os demais.

Apesar da conferência Rio+20 – prioridade número um da ONU em 2012 segundo o secretário-geral Ban Ki-Moon – priorizar o desenvolvimento sustentável, o evento terá um vínculo estreito com a de Durban, sobre o aquecimento global, prevista para o fim de 2011, completou o negociador brasileiro.