Residências ilegais prosperam em Nova York

Prefeito de Blasio, apartamentos simbolizam o fracasso do governo para fornecer moradias acessíveis aos residentes da maior cidade dos EUA

Nova York – Em volta das portas laterais ou dos fundos e uns dez degraus abaixo das casas familiares de Ozone Park, Queens, há um mundo subterrâneo de moradias ilegais em porões – um subproduto da escassez crônica de moradias em Nova York.

“Algumas são até melhores do que aquelas acima”, disse Seema Agnani, planejadora urbana que promove uma lei para adicionar as unidades aos bens imóveis protegidos legalmente por Nova York.

Para o prefeito eleito Bill de Blasio, os apartamentos subterrâneos nas vizinhanças, em sua maioria fora de Manhattan, simbolizam o fracasso do governo para fornecer moradias acessíveis aos residentes da maior cidade dos EUA. Ele assumirá o cargo em 1 de janeiro e se comprometeu a construir ou preservar 200 mil unidades de renda média e baixa na próxima década.

De Blasio, um democrata de 52 anos, venceu este mês nas eleições com a maior margem obtida por um candidato que não está no governo na história da cidade graças à uma plataforma na qual ele prometeu fechar a crescente brecha entre ricos e pobres. Se nada for feito, declarou ele no começo da campanha, Nova York está ameaçada em converter-se em um lugar exclusivamente para ricos.

Cada vez mais nova-iorquinos estão gastando a maior proporção dos seus salários da história em habitação. Um terço deles está pagando pelo menos metade da sua renda em aluguéis, conforme o Comitê de Diretrizes sobre Aluguéis da cidade.

A emergência do assunto, que atormenta os prefeitos há décadas, poderia piorar: os funcionários da prefeitura projetam que a população cresça cerca de 10 por cento até 9,1 milhões para 2030. Para que De Blasio cumpra sua meta, ele terá que lutar contra a indústria de bens imóveis da cidade, contra os recursos limitados e contra a geografia.


Construindo “mais inteligentemente”

“A maioria das cidades se espalha para sair das crises de moradia – se expandem – mas Nova York é uma série de ilhas, portanto não podemos fazer isso. Temos que construir mais densamente e inteligentemente, para cima”, disse Benjamin Dulchin, diretor executivo da Associação para o Desenvolvimento de Residências e Vizinhanças, uma coalizão de ONGs. “O que geralmente se constrói aqui há 20 anos são residências de luxo ou a taxas de mercado, que não ajudam a grande maioria dos nova-iorquinos”.

Os desenvolvedores não construirão nada improdutivo sem assistência do governo, disse Mary Ann Tighe, presidente da região de Nova York na corretora de propriedades CBRE Group Inc. e ex-presidente do conselho do Comitê Imobiliário de Nova York, um grupo comercial.

“Atualmente, alguns desejam converter as moradias acessíveis em parte de uma espécie de projeto de engenharia social”, disse Tighe em uma entrevista. “Ninguém pode ordenar à comunidade de desenvolvedores: ‘vocês devem fazer isso’. Nenhum prefeito tem uma varinha mágica para agitar”.

Emergência de residências

Nova York enfrenta uma “emergência de residências” – definida como uma taxa de vacância de aluguéis abaixo de 5 por cento – desde que começaram as pesquisas em 1965, conforme estatísticas da prefeitura. A taxa foi de 3,1 por cento em 2011, o último ano com dados disponíveis; para as unidades com aluguéis de US$ 800 ou menores, foi de 1,1 por cento.

A maioria dos milhares de apartamentos ilegais em porões fica no Queens, segundo estimativas da Chhaya Community Development Corp., que trabalha no distrito com migrantes do sul da Ásia. Uma pesquisa da organização revelou que pelo menos 35 por cento deles poderiam ser legalizados para oferecerem uma entrada de ar e luz e condições de segurança adequadas.

No seu plano habitacional, De Blasio se compromete a “pôr fim à prática de fingir que essas casas e suas famílias não existem”. Isso seria feito mediante legislações que criem um programa piloto de “unidades de residência acessórias” para começar a tirar as unidades ilegais das sombras. A Chhaya faz parte de uma coalizão que trabalha com os membros do conselho da cidade para apresentar um projeto de lei desse tipo no ano que vem.