Republicanos mantêm pressão sobre Obama por causa da Líbia

De acordo com um senador, o ataque comprova o argumento da campanha de Mitt Romney de que a atual política externa dos país é inconsistente

WASHINGTON – Os republicanos mantêm neste domingo a pressão sobre o presidente dos Estados Unidos Barack Obama a respeito das mortes de quatro norte-americanos na Líbia, em 11 de setembro passado. De acordo com um senador, o ataque comprova o argumento da campanha de Mitt Romney de que a atual política externa dos país é inconsistente.

O tema apareceu no debate entre os candidatos a vice-presidente na quinta-feira e deve ganhar mais força até o próximo debate dos candidatos, na terça, em Nova York.

“Ou eles estão confundindo o povo, ou são incrivelmente incompetentes”, disse o senador republicano Lindsey Graham à rede de TV CBS.

A Casa Branca afirmara inicialmente que a violência na Líbia fora uma reação de muçulmanos insatisfeitos com um vídeo que ofendia Maomé. Dias depois, o governo chamou o ato de um ataque terrorista.

“Bin Laden pode estar morto. Al Qaeda está viva e atacando em toda a região”, afirmou Graham. “E a política externa do presidente Obama está permitindo que a região entre em colapso”.