Recuperação da economia mundial chegou ao limite, diz Bird;

<EM>Segundo</EM><SPAN>;<EM>o</EM><SPAN>;<EM>Banco Mundial</EM></SPAN></SPAN><EM>, a recuperação da economia atingiu o;</EM><SPAN><EM>seu auge. A </EM></SPAN><EM>gravidade da iminente desaceleração vai depender do comportamento dos investidores estrangeiro

A recuperação global dos últimos três anos mascarou problemas que não podem continuar sendo ignorados por muito mais tempo. Esta é uma das advertências de relatório do Banco Mundial (Bird) divulgado nesta quarta-feira (6/4). Segundo a instituição, a recuperação da economia atingiu o seu auge, e a gravidade da iminente desaceleração vai depender do comportamento dos investidores estrangeiros em relação a ativos denominados em dólar.

A fragilidade ficou evidente quando bancos centrais asiáticos anunciaram no mês passado que devem diversificar seu portfólio de moedas. Reportagem de The Wall Street Journal desta quarta-feira (6/4) realça trecho da introdução ao relatório escrita pelo economista-chefe do Bird, François Bourguignon: “A economia global está em um ponto de inflexão, o crescimento atingiu o pico e as pressões para que haja resposta para desequilíbrios globais estão mais intensas, expondo riscos importantes para países desenvolvidos e em desenvolvimento à medida que os ajustes necessários ocorrerem”.

Segundo o banco, no melhor cenário a taxa de crescimento da economia mundial deve cair de 3,8% em 2004 para 3,1% de 2005 até 2007. No caso dos países em desenvolvimento, a taxa deve recuar dos 6,6% do ano passado para 5,7% em 2005 e 5,2% no próximo ano. Porém, uma nova recessão global é uma possibilidade que não pode ser descartada. “Uma redução no ritmo em que os bancos centrais acumulam dólares, um enfraquecimento do apetite dos investidores por risco ou um impulso maior do que o esperado das pressões inflacionárias pode causar elevação dos juros além do projetado, acarretando uma desaceleração mais profunda do que a esperada ou até mesmo uma recessão global”, afirma o relatório.