Rebeldes denunciam morte de 2 civis por fogo ucraniano

Separatistas pró-Rússia denunciaram a morte de dois civis em um ataque com artilharia das forças de Kiev contra um bairro residencial

Moscou – Os separatistas pró-Rússia denunciaram nesta quarta-feira a morte de dois civis nesta madrugada em um ataque com artilharia das forças de Kiev contra um bairro residencial da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia.

“A zona residencial do bairro Novokuibishevski de Donetsk foi atacada com os (lança-mísseis) Grad. Dois civis morreram e outros quatro foram transferidos ao hospital”, informou à agência russa “Interfax” o chamado Estado-Maior da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD).

As autoridades municipais da cidade, habitada por quase um milhão de pessoas antes da explosão do conflito armado, confirmaram ataques isolados contra áreas residenciais da cidade durante a madrugada passada.

Os rebeldes também denunciaram outras violações do cessar-fogo por parte das tropas ucranianas que teriam ocorrido no final da noite de ontem junto ao aeroporto de Donetsk, controlado pelas forças de Kiev, mas rodeado pelos separatistas pró-Rússia.

Por sua parte, o coordenador do portal “Resistência Informativa”, Dmitri Timchuk, muito próximo às forças de Kiev, assegurou que foram os separatistas que dispararam com tanques e mísseis Grad contra as posições ucranianas no aeroporto.

Timchuk também denunciou mais de 50 violações da trégua por parte dos sublevados durante as últimas 24 horas por toda a geografia das regiões rebeldes de Donetsk e Lugansk.

Segundo o comando militar ucraniano, um grupo de observadores da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE) caiu sob fogo dos milicianos sem que ninguém ficasse ferido quando se encontrava junto às posições ucranianas na região de Lugansk.

Salvo alguns incidentes isolados, a trégua decretada no dia 5 de setembro pelos dois lados enfrentados no leste da Ucrânia se mantém e as partes cumprem em geral tanto com os 12 pontos recolhidos no protocolo do cessar-fogo aprovado então como com o Memorando de Minsk assinado neste sábado.

“Hoje, foram libertados 10 membros dos batalhões (voluntários) de defesa territorial. Entre eles há um oficial”, escreveu em seu Twitter o presidente ucraniano, Petro Poroshenko.

As partes preveem trocar outros 60 de seus homens por cada lado ao longo da jornada de hoje, segundo um porta-voz dos rebeldes.

A retirada do armamento pesado das posições das forças armadas ucranianas e dos insurgentes pró-Rússia nas áreas rebeldes também está sendo cumprida sob a supervisão da OSCE, segundo informou nesta quarta-feira o “primeiro-ministro” da autoproclamada República Popular de Lugansk, Igor Plotnitski.