Reajuste de servidores pode comprometer superávit na Argentina

Governo argentino determinou um reajuste de 20% nos salários da maioria dos servidores público é o primeiro aumento desde 2001

O governo argentino anunciou, nesta sexta-feira (8/7), um reajuste de 20% nos salários da maioria dos servidores públicos. Trata-se do primeiro aumento para a categoria desde 2001, mas muitos economistas temem que a medida comprometa o superávit fiscal do país e alimente a inflação.

A decisão beneficiará 135 000 pessoas, entre funcionários públicos e membros das Forças Armadas. Recentemente, esses grupos realizaram vários protestos para pressionar o governo, alegando que os vencimentos ficaram bastante defasados em relação à iniciativa privada nos últimos dois meses.

Segundo The Wall Street Journal, muitos economistas estão preocupados com o impacto sobre as contas públicas. O superávit fiscal dá sinais de que pode fechar o ano em torno de 4% do Produto Interno Bruto, melhor, portanto, que a meta de 3,2% determinada pelo governo. O reajuste dos servidores, porém, pode comprometer esse desempenho.

A possibilidade é ainda mais preocupante, de acordo com o jornal americano, porque o Fundo Monetário Internacional vem insistindo que a Argentina aumente a austeridade fiscal, a fim de debelar as ameaças inflacionárias. Na terça-feira (5/7), a agência oficial de estatística da Argentina informou que os preços ao consumidor subiram 0,9% em junho, contra uma estimativa de 0,6% do mercado.