Protestos no Egito deixam dois mortos e centenas de feridos

Manifestantes exigem o fim do governo militar

CAIRO – Manifestantes que exigem o fim do governo militar e que estão revoltados com as violentas práticas policiais entraram em confronto com as forças de segurança neste domingo no Egito, no que se tornou o maior teste na área da segurança para os generais que comandam o país, uma semana antes das eleições parlamentares.

Duas pessoas morreram e centenas ficaram feridas em confrontos, os maiores atos de violência desde os 18 dias de revolta que derrubaram o ex-presidente Hosni Mubarak, em fevereiro.

Jovens do Cairo gritavam “O povo quer derrubar o regime” enquanto investiam contra a polícia, que disparou balas de borracha e gás lacrimogêneo. Manifestantes lutaram com as forças de segurança em outras duas cidades.

O Egito realizará sua primeira eleição parlamentar desde a queda de Mubarak em uma confusa votação que começará no dia 28 de novembro. Muitos egípcios estão preocupados de que a polícia não conseguirá levar segurança ao pleito, embora o Exército insista que isso não é um problema.

Os poderes presidenciais continuarão com o Exército depois da votação. Uma briga surgiu entre dois grupos políticos e o gabinete controlado pelos militares, devido às regras para a criação de uma Constituição, que pode deixar o Exército livre de controle civil. O Parlamento precisa escolher a assembleia que vai escrever a Constituição.

Houve casos de violência neste domingo, mesmo depois de os grandes confrontos da madrugada terem diminuído.

Mostrando cartuchos vazios de espingardas em uma rua do Cairo, um manifestante gritou: “Esse é o Ministério do Interior que diz que está buscando controlar suas forças”.

Manifestantes em volta dele vestiam mascaras para proteção contra gás lacrimogêneo e mostraram tubos de gás vazios e cápsulas de balas. Barricadas de metal foram erguidas em ruas próximas à Praça Tahrir, onde os egípcios se juntaram para derrubar Mubarak.


Muitos egípcios estão furiosos com o fato de que, nove meses depois da queda do ex-presidente, o Exército permanece no poder e a polícia ainda está usando força bruta para reprimir protestos.

“Estamos na iminência do perigo. Aqueles que pedem a queda do governo pedem a queda do Estado,” afirmou o general egípcio Mohsen Fangary em um canal de televisão.

Ele disse que a eleição vai continuar no prazo e que o Exército e o Ministério do Interior manterão a segurança. Ele também disse que o Exército, de acordo com um cronograma anunciado anteriormente, deseja voltar aos quartéis até o final de 2012.

As eleições presidenciais poderiam ser realizadas até lá.