Projeto faraônico de novo aeroporto é rejeitado em Londres

Comissão afirmou que a extensão das capacidades aéreas de Londres não passará pela construção de um novo aeroporto

Londres – Uma comissão britânica rejeitou nesta terça-feira o projeto de construção de um novo aeroporto ao longo do estuário do Tâmisa, promovido pelo prefeito de Londres, Boris Johnson, e defendeu a extensão dos aeroportos de Heathrow e Gatwick.

A comissão, presidida pelo economista Howard Davies e criada em 2012 pelo governo liberal-conservador de David Cameron, afirmou que a extensão das capacidades aéreas de Londres não passará pela construção de um novo aeroporto.

O prefeito de Londres aposta na construção de um imenso aeroporto de quatro pistas a cerca de 50 km à leste da capital britânica, ao sul do estuário do rio Tâmisa. O projeto inclui o fechamento de Heathrow, situado no oeste de Londres.

Como o projeto implicaria a construção de um vasto terreno artificial onde agora tem mar, a imprensa britânica ironicamente o denominou de “Boris Island”.

A comissão descartou o plano alegando “obstáculos que dificultariam seu funcionamento, os elevados custos e os lucros incertos”, segundo explicou Davies.

Assim, os especialistas preferem outros três projetos para manter Londres como o primeiro “hub” aéreo da Europa. Dois deles preveem a ampliação de Heathrow.

Seja qual for a opção preferida pela comissão, a decisão política não será tomada antes da próxima legislatura (2015-2020). A previsão é que a nova infraestrutura entre em funcionamento até 2030.