Primeiro “ciberdissidente” chinês é condenado a 12 anos de prisão

Huang Qi já foi preso outras vezes, sendo o primeiro opositor a cumprir uma sentença de prisão por usar a internet para fins políticos

O fundador de um site chinês, que revelou supostas violações de direitos humanos, foi sentenciado nesta segunda-feira a 12 anos de prisão, uma das mais pesadas sentenças dos últimos anos contra um dissidente.

Huang Qi foi considerado culpado de “divulgar segredos de Estado” e teve 200.000 yuans (26.100 euros) confiscados de seus bens pessoais, informou em um comunicado o Tribunal Popular Intermediário de Miangyang (sudoeste).

Huang Qi, de 56 anos, é um veterano de dissidência na China. Regularmente na mira das autoridades desde 2000, ele dirigiu o site “64 Tianwang” – bloqueado no país – para recordar a repressão sangrenta do movimento de protesto da Praça da Paz Celestial em Pequim, em 4 de junho de 1989 (evento conhecido na China sob a data “6-4”).

Huanq Qi, que está com problemas de saúde de acordo com organizações de direitos humanos, foi preso em 2016, logo depois de ganhar o prêmio Repórteres Sem Fronteiras – TV5 World Press Freedom Prize.

Huang Qi já havia recebido em 2004 o prêmio RSF depois de ter sido sentenciado quatro anos antes. Ele foi então o primeiro opositor chinês a cumprir uma sentença de prisão por usar a internet para fins políticos.

Em 2009, foi novamente sentenciado, desta vez a três anos de prisão, depois de denunciar o péssimo estado de construção de escolas que desabaram no ano anterior durante o terremoto de Sichuan (87.000 mortos e desaparecidos).

A pena mais pesada imposta a um opositor político desde que o presidente Xi Jinping chegou ao poder é Qin Yongmin, condenado no ano passado por “subversão” a 13 anos de prisão.