Primeira condenação na Rússia por propaganda homossexual

Líder da GayRussia foi multado em 5.000 rublos por infringir lei que castiga "ato público que promova a homossexualidade ante os menores ou a pedofilia"

Moscou – Um líder da GayRussia foi condenado nesta sexta-feira por propaganda homossexual por um tribunal de São Petersburgo, convertendo-se assim na primeira pessoa condenada com base numa nova lei da segunda cidade da Rússia, considerada homófoba pelos defensores da liberdade.

Nikolai Alexev informou à AFP ter sido condenado a uma multa de 5.000 rublos (128 euros) por ter infringido este texto que castiga os autores de qualquer “ato público que promova a homossexualidade ante os menores ou a pedofilia”.

Foi detido pela polícia no início de abril por ter se manifestado ante a Casa de Cultura para os jovens de São Petersburgo, agitando junto a outros militantes cartazes com dizeres como “os homossexuais também nasceram na Terra – Não se pode mentir para as crianças”, para protestar contra a nova lei que entrou em vigor em março.

“Isso mostra o absurdo desta lei que associa homossexualidade e pedofilia”, denunciou Alexev, que vai recorrer à Corte Europeia dos Direitos Humanos.

A homossexualidade foi considerada crime na Rússia até 1993 e doença mental até 1999.

As tentativas de organizar o Dia do Orgulho Gay desde 2006 foram proibidas pelas autoridades e dispersadas pela polícia.