Pressionada, Noruega desiste de proibir mendicância

Um dos países mais ricos do mundo anunciou que desistiu de proibir a mendicância, uma ação polêmica que pretendia punir quem ajudasse mendigos

Oslo – Noruega, um dos países mais ricos do mundo, anunciou nesta quinta-feira que desistiu de proibir a mendicância, uma medida polêmica que pretendia punir aqueles que ajudassem os mendigos.

Após vários dias de polêmica, o governo de direita desistiu do projeto que previa punir a mendicância com uma multa ou uma pena de prisão de até um ano – em caso de mendicância por quadrilha organizada -, oficialmente para lutar contra o tráfico de seres humanos e a delinquência associada a essa prática.

As mesmas sanções eram propostas para as pessoas consideradas culpadas por “cumplicidade”, como aquelas que dão abrigo, transporte ou quaisquer elementos aos moradores em situação de rua.

A proposta provocou polêmica e o ministro da Justiça, Anders Anundsen, membro do Partido do Progresso (direita populista e anti-imigração), um dos dois partidos no poder, ao lado dos conservadores, foi acusado de querer declarar ilegal a caridade.

Nas redes sociais, vários internautas se mostraram dispostos a lançar uma campanha de desobediência civil, acusando o governo de ter como alvo a população cigana.

O ministério da Justiça anunciou a retirada do controverso projeto.

Países como o Reino Unido e a Dinamarca proíbem a mendicância em escala nacional e local.