Presidente do México diz a Trump que não cairá em “nenhuma provocação”

Trump disse que enviará soldados armados para fronteira com o México, depois que tropas mexicanas desarmaram membros da Guarda Nacional dos EUA

México — O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, respondeu nesta quarta-feira ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que seu país não cairá em “nenhuma provocação” e que as duas nações não irão brigar, após o líder americano ter ameaçado no Twitter fechar a fronteira como forma de conter a imigração.

“O mais importante é dizer que não vamos enfrentar o governo dos EUA”, disse o López Obrador ao ser questionado em entrevista coletiva sobre a nova ameaça de fechamento da fronteira feita por Trump.

O presidente mexicano afirmou que seu governo não vai “cair em nenhuma provocação” e reiterou a intenção de manter uma “relação respeitosa e de amizade” com os EUA.

Trump ameaçou através de mensagem postada no Twitter fechar a fronteira para conter os migrantes, um fato que López Obrador desconhecia, por isso seu assessor de comunicação teve que interromper a coletiva para mostrar as mensagens.

Nesta rede social, Trump argumentou que os soldados do México “recentemente levantaram as armas” contra soldados da Guarda Nacional americana, o que disse que “provavelmente” foi uma tática de distração para os traficantes de drogas na fronteira.

Enquanto Jesús Ramírez Cuevas mostrava os tweets do presidente americano, foi possível ouvir López Obrador dizer que nesse evento “não houve disparos”.

“Vamos fazer a revisão do caso, levar em conta o que ele está apontando e assegurar que sempre haverá, da nossa parte, uma atitude responsável e de respeito ao governo e ao povo dos EUA”, disse López Obrador.

Além disso, o líder garantiu que o governo mexicano “vai atuar conforme a lei e no marco de nossa soberania”.

No começo de abril, Trump cedeu em sua ameaça de fechar a fronteira com o México, ao afirmar que dará ao país vizinho um ano para conter o fluxo de drogas, ou então imporá tarifas aos seus automóveis antes de decidir se fecha a área limítrofe.

No início do mandato de López Obrador, em dezembro, o governo começou a conceder vistos humanitários para todos os migrantes centro-americanos que cruzavam a fronteira com a Guatemala.

No entanto, desde janeiro foram impostas restrições para os migrantes e o governo mexicano está tentando conter o fluxo de pessoas no estado de Chiapas, no sul do país.