Presidente do México adia decisão sobre aeroporto e quer consulta pública

López Obrador disse que projeto foi contaminado pela corrupção e sugeriu que base militar já existente seja utilizada como aeroporto

Cidade do México – Andrés Manuel López Obrador, presidente eleito do México, adiou nesta sexta-feira a decisão sobre a conclusão de um novo aeroporto na Cidade do México, dizendo que os cidadãos devem dar a última palavra sobre o destino do terminal de 13 bilhões de dólares, ao qual o novo governante se opôs inicialmente.

López Obrador disse que o projeto foi contaminado pela corrupção antes de sua vitória nas eleições de 1º de julho, e sugeriu que uma base militar já existente ao norte da capital seja utilizada como novo aeroporto.

No entanto, uma parcela significativa do ambicioso projeto já foi concluída, tornando a decisão de rejeitar o aeroporto potencialmente cara para López Obrador, que se comprometeu a reprimir o desperdício público e a cuidar das finanças do país.

Durante uma coletiva de imprensa, López Obrador disse que a opção de transformar a conclusão das obras em uma concessão privada ainda estava em aberto, a fim de reduzir o risco para o contribuinte, conforme ele e seu ministro dos Transportes, Javier Jimenez Espriu, apresentaram seus planos.

Jimenez disse que após discussões com especialistas e analisar as duas opções –terminar o projeto atual ou adaptar a base militar– uma consulta nacional seria realizada na última semana de outubro para decidir o caminho a ser seguido.

“O resultado será vinculativo e, com base nisso, a decisão definitiva será tomada”, disse Jimenez.

A decisão de López Obrador sobre o aeroporto se tornou um teste decisivo de seu pragmatismo econômico e das relações com os líderes empresariais, que apoiaram fortemente o projeto existente.

Contratos no valor de bilhões de dólares foram concedidos para o aeroporto, que visa aliviar a capacidade do terminal atual da capital e melhorar a conectividade.

O projeto, que é o maior plano de obras públicas em curso no México, foi projetado pelo arquiteto britânico Norman Foster e pelo genro do magnata mexicano Carlos Slim, cuja família também participa do financiamento e da construção do aeroporto.