Presidente do Ibama pede demissão e alega motivos pessoais

Bayma, como todos os presidentes do Ibama, vinha sofrendo pressões de outras áreas do governo por conta da concessão de licenças ambientais

Brasília – O Ministério do Meio Ambiente confirmou nesta quarta-feira que o presidente do Ibama, Abelardo Bayma, deixou o cargo, alegando motivos pessoais. O nome de um substituto ainda não foi anunciado.

Segundo a assessoria de imprensa do ministério, Bayma pediu para ser exonerado. A pasta esclareceu que a saída se deve a motivos pessoais e que, ainda no ano passado, Bayma havia se comprometido com a ministra Izabella Teixeira a permanecer no cargo até 31 de dezembro.

Ainda não foi escolhido um nome para substituí-lo. Bayma, como todos os presidentes do Ibama, vinha sofrendo pressões de outras áreas do governo por conta da concessão de licenças ambientais.

O recém-empossado ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, recentemente criticou o atraso na emissão de licenças para usinas, especialmente a hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.

A licença para instalação do projeto deveria ter saído no fim do ano passado, mas segundo previsão do próprio Lobão só deverá ser liberada em fevereiro.