Presidente do BC do Equador renuncia por falsificar diploma

Pedro Delgado admitiu que há duas décadas falsificou seu diploma universitário em Economia

Quito – O presidente do Banco Central do Equador (BCE), Pedro Delgado, renunciou as suas funções depois de admitir que há duas décadas falsificou seu diploma universitário em Economia, o que foi considerado pelo presidente Rafael Correa como um grave dano para seu governo.

“Para não afetar mais o projeto político liderado pelo presidente Rafael Correa, apresento minha renúncia irrevogável ao cargo que me foi confiado à frente do Banco Central e de outras delegações a mim confiadas”, afirmou na quarta-feira à noite Delgado, primo do presidente, em uma declaração televisionada.

Acrescentou que “o faço precisamente porque devo reconhecer (…) que cometi um erro, gravíssimo erro, há 22 anos”, que na época “tomei uma decisão equivocada e, para alcançar um objetivo acadêmico, cometi uma falta que hoje me custa muito caro”.

“Verificamos que Pedro Delgado havia apresentado um título falso na INCAE (Business School, uma escola de negócios da Costa Rica). Fez um grave dano à Revolução”, expressou Correa nesta quinta-feira através de sua conta no Twitter.

O presidente acrescentou que “gostaria de reconhecer a ética do INCAE. Não se prestou a jogos e apenas nos deu, com autorização correspondente, a informação” e que “investigamos com seriedade, assim como cada uma das mentiras anteriores, e neste caso resultou ser verdade”.

Delgado, titular do conselho do BCE desde novembro de 2011 e também a cargo da gestão de empresas apreendidas pelo Estado devido a dívidas bancárias, foi acusado por setores da oposição por supostos atos irregulares, como tentativas para triangular atividades financeiras com o Irã.