Maduro busca diálogo pela paz em meio a protestos

Presidente venezuelano tentou nesta quarta uma aproximação com diferentes setores para acalmar a onda de protestos contra seu governo

Caracas – O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, tentava nesta quarta-feira uma aproximação com diferentes setores para acalmar a onda de protestos contra seu governo, acusado pela oposição de reprimir violentamente enquanto as manifestações de rua persistem.

A nação tem sido abalada por violentos confrontos entre forças de segurança e manifestantes da oposição que tomaram as ruas em protesto contra a insegurança, a escassez de produtos básicos e a elevada inflação.

Os protestos, que em várias cidades se tornaram em prolongados confrontos de jovens manifestantes contra policiais e soldados, deixaram pelo menos 13 mortos, mais de uma centena de feridos e centenas de presos.

Maduro, que assumiu o cargo há menos de um ano após uma eleição apertada, convocou um conferência pela paz, convidando setores que são críticos ao seu governo, como empresários e a Igreja.

“Eu quero a paz para a Venezuela, peço que a violência acabe”, disse nesta quarta-feira o chefe de Estado, o herdeiro político do falecido líder de esquerda Hugo Chávez.

“Convidei compatriotas com os quais os senhores sabem que temos grandes diferenças e vou dar-lhes a mão e um sorriso e vou pedir paz”, acrescentou o governante em uma reunião com agricultores transmitida pela televisão estatal.

Mas a coalizão de partidos de oposição, a Mesa da Unidade (MUD), disse que não comparecerá à reunião porque não cumpre com as condições adequadas.

“Não nos submeteremos ao que resultará em um diálogo simulado que leve à ilusão de nossos compatriotas”, disse em comunicado o porta-voz da MUD, Ramón Aveledo.

A oposição denunciou uma brutalidade excessiva na repressão aos protestos pelas forças de segurança e alega que grupos armados pró-governo atacam violentamente as manifestações. Afirmou, inclusive, que alguns detidos foram torturados.

Em um artigo publicado no blog com propostas para superar a situação no país, o líder da oposição Henrique Capriles pediu “o fim da criminalização dos protestos como forma pacífica de expressão e a violação dos direitos humanos. O fim das torturas e a repressão”.

O Ministério Público pediu nesta quarta-feira o julgamento de cinco agentes de inteligência do governo presos pela suposta morte de dois manifestantes, Bassil Da Costa e Juan Montoya, durante confrontos pesados ​​em um protesto no dia 12 de fevereiro.

Maduro disse que as manifestações com barricadas em áreas ricas de Caracas e outras cidades do país são parte de uma conspiração “fascista” que pretende derrubá-lo.

Os Estados Unidos declararam nesta quarta-feira que pretendem melhorar a sua relação com o governo venezuelano, mas disseram que não ficarão de braços cruzados diante das falsas acusações de fomentar a violência em Caracas.

Enquanto isso, o ministro das Relações Exteriores venezuelano, Elías Jaua, disse que a Venezuela está pronta para entrar em uma nova fase de relações bilaterais.