Premiê italiano anuncia ‘maratona de três anos’ de reformas

Entre as medidas anunciadas estão a "redução da burocracia", a reforma fiscal e o combate à sonegação de impostos

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, anunciou neste sábado (28) uma “maratona de três anos” em seu governo para realizar uma série de reformas, em particular no serviço público, na justiça penal, nas áreas fiscal e de infraestruturas.

Quatro meses depois do início do governo Conte 2, formado em setembro pela centro esquerda e o Movimento 5 Estrelas (M5E, antissistema), Conte se declarou “orgulhoso” do trabalho realizado e afirmou que depois do “impulso destes primeiros dias, começa uma maratona de três anos” que chegaria ao final da legislatura, em 2022.

A coalizão governamental, no entanto, já está mostrando divergências que a fragilizam em várias frentes, como a dos migrantes ou a reforma da eurozona ou da justiça, que levam a pensar em uma volta às urnas nos próximos meses, segundo observadores.

“Agora temos uma maratona de três anos pela frente”, disse Conte em coletiva de imprensa de fim de ano. “Temos 23 pontos ambiciosos, alguns dos quais já tinham sido abordados e em janeiro será a oportunidade de parar para refletir, debater com as diferentes forças políticas e relançar a ação governamental”, destacou.

Entre as medidas anunciadas estão a “redução da burocracia”, a digitalização da função pública, a redução dos níveis de jurisdição, a reforma fiscal e o combate à sonegação de impostos.

O governo atual está sob ameaça da Liga (extrema direita), do ex-ministro do Interior Matteo Salvini, que não para de pedir eleições antecipadas.

O governo Conte significa “mais impostos, mais assentos (ministeriais) e mais mentiras”, afirmou Salvini, líder da ultradireita.

Embora tenha perdido terreno nas pesquisas de opinião desde que Salvini detonou em agosto a coalizão anterior, a Liga continua sendo o primeiro partido da Itália, com aproximadamente 31% das intenções de voto.

O mês de janeiro poderia ser determinante para o governo, devido às próximas eleições regionais, com ares de teste nacional, que serão realizadas em Emilia-Romagna (nordeste) em 26 de janeiro.

Neste reduto histórico da esquerda, frequentemente denominado pelos italianos de “Emilia Vermelha”, desenha-se um duelo entre o Partido Democrata (centro esquerda) e a direita liderada pela Liga.