Porta-voz dos EUA renuncia para não dar informação “falsa”

Segundo ele, sua demissão responde ao fato de que lhe pediam que repetisse informação exagerada sobre efeito que teve alerta de prefeita da cidade vizinha

Los Angeles – Um porta-voz do Serviço de Imigração e Alfândegas (ICE) de São Francisco se demitiu por não poder “suportar a carga” de continuar transmitindo informação “falsa” da Administração do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, informou a imprensa nesta terça-feira.

Em entrevista à rede “CNN”, James Schwab, porta-voz da Divisão de São Francisco do ICE, disse que sua saída, conhecida na noite de ontem, é porque não podia continuar mantendo a “integridade” como representante da agência federal e, ao mesmo tempo, saber que a “informação era falsa”.

Segundo o porta-voz, a sua demissão responde ao fato de lhe pediam que repetisse informação exagerada de que o diretor encarregado de ICE, Thomas Homan, e o próprio procurador-geral do estado, Jeff Sessions, tinham dado sobre o efeito que teve o alerta da prefeita da vizinha cidade de Oakland, Libby Schaaf, sobre inspeções de Imigração.

Em 24 de fevereiro, a prefeita avisou que o ICE estava preparando uma operação na área, o que na opinião do diretor encarregado colocou em perigo os agentes que participaram e alterou os resultados. Segundo o ICE, nestas ações 232 imigrantes ilegais foram detidos, embora “864 criminosos estrangeiros e ameaças para a segurança pública” continuaram soltos devido, em parte, à “decisão irresponsável da prefeita”, disse Homan.

Na sua visita à Califórnia na semana passada, o próprio procurador-geral do estado se referiu a estes imigrantes ilegais como “800 criminosos” que o ICE deverá perseguir em “situações mais perigosas”.

Para o até agora porta-voz de ICE em São Francisco estas afirmações são equivocadas porque “nunca” são capturados 100% dos alvos neste tipo de operação e dizer que são “criminosos perigosos também é errado”.

A prefeita, que também foi criticada por Trump pela atitude, parabenizou, em comunicado, a ação de Schwab por “dizer a verdade no meio de uma intensa pressão para mentir”.