Polícia revista casa de ex-presidente do Banco do Vaticano

A revista faz parte de uma investigação por suposta corrupção no grupo italiano de aeronáutica e defesa Finmeccanica

Roma – A polícia revistou nesta terça-feira a residência do ex-presidente do Banco do Vaticano Ettore Gotti Tedeschi, como parte de uma investigação por suposta corrupção no grupo italiano de aeronáutica e defesa Finmeccanica.

A operação na casa de Tedeschi, em Piacenza (norte), foi ordenada pela justiça de Nápoles, que investiga operações ilícitas na Finmeccanica, o segundo maior grupo industrial público do país.

Gotti Tedeschi não aparece na lista de pessoas diretamente envolvidas, afirmaram fontes judiciais.

“A investigação pretende elucidar os supostos casos de corrupção internacional, o pagamento de subornos (em troca de contratos) por parte de empresas do grupo Finmeccanica”, afirma o jornal La Repubblica.

Até o momento não foram divulgadas as razões concretas da operação na residência de Gotti Tedeschi, que em 24 de maio foi destituído da presidência do Instituto para as Obras de Religião (IOR), o banco do Vaticano, por divergências com o cardeal Tarcisio Bertone, número dois da Santa Sé.

Desde 2010, o grupo Finmeccanica foi abalado por vários casos de corrupção que levaram seu presidente, Pier Francesco Guarguaglini, a renunciar em setembro do ano passado, após nove meses no cargo.