Polícia prende líderes de protestos em Hong Kong

A polícia prendeu dois líderes das manifestações pró-democracia e acabou com acampamento

Hong Kong – A polícia de Hong Kong prendeu nesta quarta-feira dois líderes das manifestações pró-democracia e acabou com um dos três acampamentos do movimento, o que permitiu a reabertura de uma via bloqueada há quase dois meses.

Depois de forçar o recuo dos manifestantes, centenas de policiais compareceram ao local para permitir o trabalho dos funcionários que desmontaram as barricadas em uma avenida de seis vias de Mongkok, na parte continental da ex-colônia britânica.

Esta foi a maior operação para dispersar os manifestantes, que desejam um o sufrágio universal total, ao mesmo tempo que o movimento perde força entre a opinião pública, cansada dos problemas provocados na vida diária da metrópole.

Após duas horas de operações para a retirada das barricadas, dezenas de manifestantes permaneciam no local.

A situação era de grande tensão. Na terça-feira, manifestantes entraram em confronto com a polícia, quando os funcionários retiravam as barricadas de outra rua ocupada de Mongkok.

Desde terça-feira, 116 pessoas foram detidas, segundo a polícia. Vinte agentes foram feridos.

Entre os detidos estão os líderes estudantis Joshua Wong – já detido em setembro e liderado depois – e Lester Shum, segundo os manifestantes pró-democracia. Os motivos não foram divulgados até o momento.

Um integrante de uma equipe de televisão também foi detido, segundo a Associação de Jornalistas de Hong Kong.

Mongkok abrigava um dos três acampamentos ocupados desde 28 de setembro na ex-colônia britânica devolvida para a China. Os outros são os de Admiralty, perto da sede do governo, e de Causeway Bay, bairro comercial de luxo.

Como na semana passada em Admiralty, onde as imediações de um arranha-céus foram desocupadas, as operações respondem a uma ordem de expulsão da justiça a pedido, entre outras, das empresas de transportes.

Mongkok foi cenário de confrontos entre manifestantes, policiais, moradores nervosos e homens supostamente ligados à máfia chinesa.

Os manifestantes, que pedem a instauração de um verdadeiro sufrágio universal na eleição para chefe de Governo local de 2017, reuniram milhares de pessoas nas ruas de Hong Kong desde 28 de setembro, o que iniciou uma campanha de mobilização sem precedentes.

Mas o número de participantes caiu consideravelmente nas últimas semanas e o movimento parece dividido a respeito da estratégia a seguir, após o fracasso de uma tentativa de diálogo com o governo local.

Ao mesmo tempo, aumenta visivelmente o cansaço dos quase sete milhões de habitantes com os engarrafamentos.

A Federação dos Estudantes de Hong Kong, que lidera o movimento, informou que estuda as próximas etapas.

Território chinês com ampla autonomia, a ex-colônia britânica vive a crise mais grave desde que foi devolvida a Pequim em 1997.

Pequim aprovou o princípio “uma voz, um voto”, mas reservou a um comitê de grandes eleitores – majoritariamente favorável ao Partido Comunista chinês – a missão de pré-selecionar os candidatos, algo inaceitável para o movimento pró-democracia.