Polícia detém 6 dos 11 imigrantes sobreviventes de naufrágio

Dos 11 imigrantes que foram resgatados vivos do naufrágio de uma embarcação perto de Miami (Estados Unidos), que matou quatro mulheres, seis foram detidos

Miami – Dos 11 imigrantes que foram resgatados vivos nesta quarta-feira do naufrágio de uma embarcação perto de Miami (Estados Unidos), que matou quatro mulheres, seis foram detidos, informaram nesta sexta-feira as autoridades locais.

Um dos detidos, que foram todos levados para os EUA, é acusado de tentativa de tráfico humano.

A embarcação de 7,6 metros de comprimento tombou na madrugada da quarta-feira a cerca de 14 quilômetros do litoral de Miami e causou a morte de quatro mulheres, que ficaram presas sob o casco.

Quando a guarda costeira conseguiu dar a volta na embarcação, encontrou os cadáveres das quatro mulheres e um homem “com convulsões” que tinha conseguido sobreviver ao encontrar uma “bolsa de ar”, detalhou à Agência Efe Marilyn Fajardo, porta-voz da instituição.

Na água, junto ao casco da embarcação, foram resgatados com vida 11 naufrágos, nove homens e duas mulheres, uma delas adolescente, nenhum dos quais usava colete salva-vidas.

Os sobreviventes, de Bahamas, Haiti e Jamaica, foram levados em um barco da Guarda Litorânea a alto mar, onde receberam assistência médica e alimentos.

O convênio migratório assinado entre os Estados Unidos e o Haiti em 1981 estabelece que todo imigrante ilegal haitiano interceptado pelas autoridades americanas deve ser repatriado, por isso é provável que esse seja o destino final dos imigrantes resgatados vivos.

A Guarda Litorânea de Miami recebeu uma ligação de emergência do condado de Miami-Dade durante a madrugada local (2h de Brasília) alertando sobre o naufrágio.

Imediatamente, a guarda costeira enviou ao local três embarcações e um helicóptero para os trabalhos de resgate, que já terminaram.

No ano fiscal que terminou no dia 30 de setembro, a Guarda Litorânea interceptou em alto-mar um total de 508 imigrantes haitianos e 1.357 cubanos, destacou Fajardo, que informou que desde 1º de outubro já foram interceptados 93 haitianos e 117 cubanos.