Pesquisa dá vantagem ao não na independência da Escócia

Pesquisa dá ao "não" à independência da Escócia uma vantagem de quatro pontos, com 52% dos votos contrários à separação

Edimburgo – Uma pesquisa da empresa YouGov, encomendada pelos jornais “The Sun” e “The Times”, outorga ao “não” à independência da Escócia uma vantagem de quatro pontos, com 52% dos votos contrários à cisão contra 48% favoráveis.

O estudo foi efetuado segunda-feira e quarta-feira, véspera do referendo desta quinta-feira, entre 3.237 pessoas que já tinham participado de outra pesquisa idêntica nos últimos dias 12 de agosto e 10 de setembro, o que a transforma em uma das enquetes mais precisas, segundo o YouGov.

De acordo com esta análise, se só votassem homens, a independência ganharia com um claro 54% frente a 46% de “nãos”, enquanto o voto feminino daria uma vitória ao “não” com 57% de sufrágios frente a 43%.

Segundo o “The Sun”, embora as enquetes não mostrem um claro ganhador, algumas casas de apostas já começaram a pagar a clientes que puseram dinheiro em uma vitória do “não” à independência da Escócia do Reino Unido.

No entanto, se o entusiasmo fosse um fator na hora de desiquilibrar a balança, a independência estaria assegurada pois a pesquisa indica que 47% dos partidários do “sim” levantaram um cartaz ou colaram um adesivo para demonstrar sua posição, contra 20% no lado contrário que fez o mesmo, segundo a pesquisa.

Os colégios eleitorais da Escócia abriram suas portas às 6h locais desta quinta-feira (3h de Brasília) para o histórico referendo sobre a independência dessa nação.

Quase 4,3 milhões de escoceses maiores de 16 anos terão que decidir nas urnas se acham que a Escócia deveria ser um país independente do Reino Unido. Para isso, estes eleitores poderão depositar sua cédula nos colégios eleitorais até as 21h locais (18h de Brasília).