Peru envia promotores ao Brasil para investigar corrupção

Promotores peruanos viajarão ao Brasil para obter informações sobre empreiteiras brasileiras que teriam pago subornos milionários no Peru

Lima – Promotores peruanos viajarão ao Brasil para obter informações sobre empreiteiras brasileiras que teriam pago subornos milionários no Peru durante a execução de um grande projeto no país.

“Diante da notícia de um fato criminoso envolvendo o Peru, os promotores viajarão para levantar as informações necessárias e, se possível, obter provas. Estão em busca de informação para ver se no Peru se abre uma investigação”, disse nesta terça-feira o procurador-geral, Pablo Sánchez, em entrevista coletiva.

A obra envolve a estrada interoceânica, que une o Brasil à costa peruana, executada entre 2005 e 2011 com a participação da Camargo Correa e da Odebrecht, ao custo de 2 bilhões de dólares, superando a estimativa inicial de 800 milhões de dólares.

“Estamos falando de fatos, e assim que os fatos estiverem claros, poderemos identificar pessoas para investigarmos”, disse Sánchez, que assumiu formalmente o cargo de procurador-geral nesta terça-feira com um compromisso de transparência.

Segundo a imprensa, a Polícia Federal do Brasil apurou que executivos da Camargo Correa pagaram subornos no Peru para superfaturar a obra, durante os governos dos presidentes Alejandro Toledo e Alan García.

Executivos da Camargo Correa já foram condenados no Brasil por participar do imenso esquema de corrupção envolvendo obras da Petrobras.

A empreiteira Odebrecht, que tem uma forte presença no Peru, construiu parte da estrada interoceânica, mas nega ter pago subornos durante a obra, afirmando que a elevação dos custos foi provocada por solicitações de melhorias realizadas pelas próprias autoridades.

Marcelo Odebrecht, presidente da empreiteira, está preso no Brasil sob suspeita de participar do esquema de corrupção na Petrobras.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é alvo de uma investigação por suposto tráfico de influência para beneficiar a Odebrecht com obras no exterior.