Pelo Twitter, Uribe rebate declarações de Lula

"Lula combatia Chávez ausente e tremia em frente a Chávez presente", escreveu o ex-presidente

São Paulo – O ex-presidente da Colômbia Álvaro Uribe, que governou o país entre 2002 e 2010, respondeu nesta quinta-feira pelo microblog Twitter as declarações do ex-líder Luiz Inácio Lula da Silva, que afirmou que os dois Governos teriam tido “uma boa relação, mas com muita desconfiança”.

Lula, que coincidiu quase todo seu mandato com o de Uribe, fez esta declaração na abertura do Fórum de Investimentos Colômbia-Brasil, durante a qual ressaltou que os dois países foram ganhando confiança nos últimos anos graças aos esforços de integração regional.

“Tenho certeza de que você (o atual presidente colombiano Juan Manuel Santos) e a presidente Dilma Rousseff podem fazer muito mais do que fizemos eu e o Uribe, que tínhamos uma boa relação, mas com muita desconfiança”, declarou Lula.

Uribe, por sua vez, reagiu com várias mensagens de reproves pelo Twitter: “Lula foi incapaz de extraditar o ‘Cura Camilo’, terrorista refugiado no Brasil”; “Lula combatia Chávez ausente e tremia em frente a Chávez presente”.

O líder colombiano disse ainda que “Lula tentou impedir que o debate de Bariloche fosse transmitido pela TV”, em alusão a uma acalorada cúpula da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), realizada em 2009 nessa cidade argentina, quando se debateu um acordo militar entre Colômbia e Estados Unidos.

E continuou: “Lula mau perdedor, bravo porque o vencemos no BID com Luis A. Moreno”, referindo-se ao colombiano designado presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

“Lula incapaz de declarar as ‘narcofarc’ terroristas”, prosseguiu Uribe, aludindo às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). “Lula hoje nos ofende e no Governo fingia ser o melhor amigo”.

“Lula hoje confessa que teve desconfianças, mas os investimentos do Brasil tiveram toda a confiança: números”, ressaltou Uribe – durante o fórum, o BID assinalou que o intercâmbio comercial entre Brasil e Colômbia quadruplicou desde 2004, chegando a US$ 3 bilhões em 2010