Pelo menos 20 rebeldes morrem em emboscada na Síria

Pelo menos vinte rebeldes morreram em uma emboscada realizada por forças leais ao regime sírio perto da cidade de Al Oteiba, nos arredores de Damasco

Cairo – Pelo menos vinte rebeldes morreram em uma emboscada realizada por forças leais ao regime sírio perto da cidade de Al Oteiba, nos arredores de Damasco, informou nesta sexta-feira o Observatório Sírio de Direitos Humanos, que tem uma ampla rede de ativistas espalhados pelo país.

Esta região vem sendo cenários nos últimos dias de duros combates entre o regime e a oposição.

A agência oficial de notícias “Sana”, por sua vez, divulgou que 41 rebeldes morreram e 10 ficaram feridos no ataque. Além disso, as forças governamentais apreenderam armas e munição dos extremistas, supostamente membros da radical Frente al Nusra, ligado à Al Qaeda.

Além disso, segundo o Observatório, a aviação síria bombardeou hoje áreas fora e dentro da cidade de Arbin, próxima a Damasco, enquanto grupos de insurgentes e tropas mantiveram intensos enfrentamentos junto ao posto militar de Al Nour, na cidade vizinha de Al Meliha.

A opositora Comissão Geral da Revolução Síria também confirmou em uma nota que o rebelde Exército Livre Sírio (ELS) e forças do regime lutam pelo controle desse posto militar.

Os Comitês de Coordenação Local disseram que o ELS tomou o controle do posto militar de Al Tabadli, onde matou mais de quatorze soldados e se apoderou de armas e munição na cidade de Tafas, na província de Deraa.

O Observatório explicou que pelo menos três combatentes do Estado Islâmico do Iraque e de Levante, vinculado à rede terrorista Al Qaeda, morreram ontem à noite em choques contra milicianos curdos na província de Aleppo, no norte da Síria.

Os três extremistas viajavam em veículo quando foram atacados pelos curdos nas proximidades da aldeia de Maarin.

Além disso, o grupo de direitos humanos indicou que prosseguiam ontem à noite os combates entre essas duas facções nas imediações da cidade de Al Yaarbiya, na província de Al Hasaka, no nordeste do país.

Mais de 100 mil pessoas morreram desde o início do conflito na Síria, em março de 2011, segundo a ONU. Já o Observatório Sírio de Direitos Humanos eleva para mais de 115 mil o número de vítimas fatais.