Pela 1ª vez mais de 50% dos americanos está contra Obama

Segundo pesquisa do jornal The Wall Street Journal e da rede de televisão NBC, 73% dos entrevistados opinaram que o país está mal

Washington – Pela primeira vez desde que chegou à Casa Branca em janeiro de 2009 o presidente Barack Obama encara a desaprovação da maioria da opinião pública dos Estados Unidos, segundo pesquisa do jornal The Wall Street Journal e da rede de televisão NBC.

Na enquete, publicada nesta terça-feira e baseada em 1 mil entrevistas realizadas entre 27 e 31 de agosto, 51% dos participantes disse desaprovar a gestão de Obama, contra 44% que a aprova.

Além disso, 73% dos entrevistados opinaram que o país está mal, “um nível de pessimismo que não se via desde o fim de 2008 quando explodiu a crise financeira”, informou o jornal.

A economia dos EUA entrou em recessão em dezembro de 2007 e saiu dela em julho de 2009, mas segundo esta enquete, mais de 70% dos entrevistados acredita que a situação econômica ainda não chegou ao fundo do poço.

No entanto, acrescenta o jornal, “a maioria dos entrevistados diz que Obama herdou os problemas econômicos do presidente George W. Bush, e que não os causou”.

Os resultados da pesquisa sugerem que 44% dos que responderam estão inclinados a votar em um candidato republicano nas eleições presidenciais do próximo ano, comparado com 40% dispostos a reeleger Obama. Em junho, em uma pesquisa similar, Obama tinha uma vantagem de 45 a 40%.

“O presidente está perdendo apoio de grupos-chaves incluindo os eleitores independentes, as mulheres e os hispânicos”, comenta o jornal. A opinião negativa sobre o atual presidente alcançou no mês passado 56% entre os trabalhadores das fábricas.

Um dos setores que apoiou a candidatura de Obama em 2008 foi o dos sindicatos, mas na enquete que publicam nesta terça-feira o The Wall Street Journal e a NBC quase 49% dos membros destas representações de trabalhadores têm uma opinião negativa da gestão de Obama, comparado com 45% que aprova o presidente.

Obama anunciará nesta quinta-feira um plano para a criação de empregos, em discurso que pronunciará diante uma sessão conjunta do Congresso dos EUA.

Dois anos depois do fim da recessão, o índice oficial de desemprego se mantém acima de 9%, e a economia não cresce em ritmo suficiente para recuperar os mais de 8,4 milhões de postos de trabalho perdidos na recessão.