PC chinês realizou votação interna para escolha de líderes

Segundo a agência estatal Xinhua, partido realizou uma reunião de dirigentes e "democraticamente recomendou" os sete membros do Comitê Permanente do Politburo

Pequim – O Partido Comunista da China divulgou informações sobre a escolha secreta dos principais líderes do país, revelando que realizou pela primeira vez uma votação interna, em maio, para decidir sobre a formação do principal órgão político chinês.

O partido, que está no poder desde 1949, tem flertado com o que chama de democracia intra-partidária, num esforço para manter a legitimidade em face da corrupção de políticos, uma crescente inquietação social e o aumento da desigualdade.

O partido realizou uma reunião de dirigentes em Pequim, em maio, e “democraticamente recomendou” os sete membros do Comitê Permanente do Politburo e os 25 integrantes do Politburo, disse a agência estatal de notícias Xinhua na noite de quinta-feira, horas depois de apresentação formal dos integrantes desses órgãos.

Tal votação não chega a sinalizar um desejo de reformas políticas democráticas, mas sugere que o partido está tentando aumentar a responsabilidade de seus membros e os sujeitando a maiores controles.

Em congressos anteriores do partido, realizados uma vez a cada cinco anos, os eleitores tinham pouca escolha: o número de candidatos era o mesmo que o número de assentos para os membros do Politburo e do Comitê Permanente.

As mudanças de liderança são debatidas com antecedência através de negociatas entre anciãos e líderes do partido que vão se aposentar, de forma a preservar o poder político e proteger seus interesses familiares. Mas as mudanças também devem passar por um processo eleitoral coreografado.

A Xinhua disse que a votação levou em consideração o “espírito partidário” dos candidatos, o jargão que significa a lealdade ao partido.

Também foi levado em conta se os candidatos eram “justos e honestos”, suas habilidades e integridade, bem como a idade e seus feitos anteriores. Políticos de 68 anos ou mais velhos não estão qualificados para integrar o Comitê Permanente.

O processo de “recomendação democrática” envolveu discussões informais, e os pontos de vista de pessoas não especificadas foram totalmente solicitados, disse a Xinhua. A agência não entrou em detalhes.A Reuters informou na semana passada que o presidente Hu Jintao e seu provável sucessor, Xi Jinping, foram pressionados a adotar um processo mais democrático para a escolha da liderança do partido, numa tentativa de aumentar a legitimidade aos olhos do público.

Xi substituiu Hu como chefe do partido e militar na quinta-feira, apenas na segunda vez que o partido realiza uma transição pacífica em mais de seis décadas. Xi deve suceder Hu como presidente durante a sessão anual do Parlamento, em março.