Patriota encontra Chávez para discutir relação bilateral

O líder venezuelano informou que repassaram temas de ''grandíssima importância'' para ambos países e para o Mercosul, cuja presidência temporária está com o Brasil

Caracas – O presidente venezuelano, Hugo Chávez, se reuniu nesta quinta-feira com o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, na primeira visita a Caracas de um funcionário estrangeiro após sua vitória nas eleições de 7 de outubro.

”É muito relevante para nós que poucos dias depois das eleições nos visite o chanceler Patriota, é muito significativo, é uma poderosa mensagem do Brasil”, disse Chávez a jornalistas após a reunião.

O líder venezuelano informou que repassaram temas de ”grandíssima importância” para ambos países e para o Mercosul, cuja presidência temporária está com o Brasil.

Acrescentou que conversaram sobre o ”financiamento a projetos de desenvolvimento que já estão em andamento” e a outros de ”alto impacto” para o desenvolvimento dos países.

Nesse sentido, indicou que nos dias 12 e 13 de novembro estará na Venezuela uma missão do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social do Brasil (BNDES) para avaliar ”o gigantesco potencial de crescimento econômico” do país.

Por sua parte, Patriota quis ”celebrar a vitória do presidente Chávez em sua reeleição, mas também do povo venezuelano e da democracia na Venezuela”.

Destacou, além disso, que essa disputa eleitoral, na qual Chávez derrotou o candidato da oposição, Henrique Capriles, por 11 pontos de vantagem, ”teve um elemento muito importante” que foi a missão de acompanhamento da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

Patriota afirmou que conversaram sobre as ”possibilidades de desenvolvimento bilateral” e destacou que, apesar de o Brasil já ter uma importante presença institucional para cooperar e investir na Venezuela, pode ”fazer mais”.

Nesse sentido, disse que estabeleceu a realização de reuniões de vice-chanceleres bimestrais para repassar ”não só a incorporação da Venezuela ao Mercosul, mas o comércio e as relações bilaterais”.

”Para o Brasil a relação com a Venezuela é absolutamente estratégica, é uma das relações com maior potencial”, concluiu.