Passagem do furacão Maria deixa 13 mortos em Porto Rico

O furacão, agora rebaixado para categoria 3 - depois de atingir a categoria máxima de 5 - deixou 33 mortos por sua passagem pelo Caribe

Treze pessoas morreram e 700 foram resgatadas depois da passagem do devastador furacão Maria por Porto Rico, que lutava nesta sexta-feira contra fortes inundações, além da completa falta de eletricidade, água potável e comunicações.

O furacão, agora rebaixado para categoria 3 – depois de atingir a categoria máxima de 5 – deixou 33 mortos por sua passagem pelo Caribe, sendo duas vítimas fatais em Guadalupe, 15 em Dominicae três no Haiti.

Mas é em Porto Rico que a situação é mais grave.

Estão previstas chuvas torrenciais que agravarão as inundações no território de 3,4 milhões de habitantes, que poderão ficar sem eletricidade durante vários meses e com uma rede de telecomunicações quase totalmente destruída.

O presidente americano, Donald Trump, declarou o território “zona de grande desastre”, o que libera fundos ilimitados de ajuda federal para a ilha.

“Porto Rico está totalmente devastado e em um estado muito delicado”, explicou Trum na quinta-feira.

O governador Ricardo Rosselló alertou que as coisa podem ficar piores.

“O que provoca mais mortes neste tipo de evento é a chuva”, explicou, recordando que a ilha sofre com as chuvas deixadas pela cauda de Maria, apesar de o olho do furacão já estar quilômetros mar adentro.

“Antecipamos que seria o maior desastre do século em Porto Rico e efetivamente assim o foi”, acrescentou Rosselló.

Água até o segundo anda

Um vídeo difundido nas redes sociais por uma moradora do bairro de Toa Baja mostra a água invadindo o segundo andar de sua casa.

“Estamos presos, Deus nos ajude. Não podemos fazer nada”, lamenta a mulher. “Não podemos subir no telhado por causa do vento, vejam as ondas”, acrescenta.

Durante a noite, dezenas de famílias foram resgatadas deste bairro, um subúrbio da capital de San Juan, que inundou quando um lago transbordou.

“Todos nós vivemos a pior noite de nossa vida, mas os boricuas têm uma grande força interior”, comentou, por sua vez, Iris Rivera, de 53 anos, morador da capital. “Todo mundo está ajudando a limpar, a organizar o trânsito, a apoiar seu vizinho”.

Em Ocean Park, uma zona turística de San Juan, também está debaixo da água. Residentes presos no segundo andar de suas casas observam a inundação, enquanto outros, em botes e caiaques, verificam se seus vizinhos estão bem.

Vários comércios foram saqueados e não se via muita presença policial, apesar de o governo informar sobre várias prisões.

O governo declarou toque de recolher noturno e estendeu até a Lei Seca até sábado.

“A San Juan que conhecíamos desapareceu”, afirmou a prefeita da capital, Carmen Yulin Cruz, que alertou que a ilha poderá ficar privada de eletricidade de quatro a seis meses.

Inundações em Dominicana

Enquanto isso, na República Dominicana, o furacão deixou sem energia 140.000 pessoas e causou inundações devido à cheia dos rios.

O Centro de Operações de Emergência (COE) ordenou a evacuação obrigatória em 26 das 32 províncias do país e mais de 17.000 pessoas foram evacuadas.

Quase 3.000 moradias reportaram danos e, segundo o COE, 15 comunidades ficaram isoladas pelas cheias dos rios e uma ponte desabou.

Maria já se afastou de Porto Rico na noite de quinta, mas seucampo nebuloso continua causando chuvas e ventos em quase todo o país.

Em seu mais recente boletim, o Centro Nacional de Furacões situou Maria com força de categoria 3 e ventos de 205 Km/h rumo às ilhas Turkos e Caicos.

O arquipélago, um território britânico, já sofre com os fortes ventos e chuvas.

O governo colocou à disposição dos habitantes novos refúgios, uma vez que as instalações disponibilizadas antes sofreram danos com a passagem do furacão Irma, no início do mês.