Turquia autoriza ação militar contra o Estado Islâmico

Deputados votam a favor do envio de tropas para Síria e Iraque e autorizam a passagem de tropas estrangeiras por seu território para lutar contra os jihadistas

Ancara – O parlamento turco autorizou nesta quinta-feira que o governo envie tropas, se achar necessário, para combater os jihadistas na Síria e no Iraque.

De 550 deputados, 298 votaram a favor da autorização de mobilizar tropas nos dois países vizinhos, e também para autorizar o trânsito de tropas estrangeiras pelo território turco para lutar contra o Estado Islâmico (EI).

Após rejeitar explicitamente uma participação na coalizão internacional anti-jihadista liderada pelos Estados Unidos, a Turquia dá um passo atrás e se dispõe a cooperar na guerra contra o grupo extremista, acusado de inúmeras atrocidades.

O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, convocou uma reunião com os principais líderes militares e da sociedade civil logo após esta votação para explicar as modalidades do envolvimento turco na coalizão.

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan reiterou nos últimos dias que seu país estava pronto par afazer “tudo o que for necessário” para combater o EI, ainda que lembrando que a queda do regime do presidente sírio Bashar al-Assad continua a ser uma de suas “prioridades”.

Erdogan, que considerou na quarta-feira os atuais ataques aéreos não passam de uma “solução temporária”, defende a criação no norte da síria de uma zona tampão destinada a proteger os refugiados sírios e o território turco.

Esta votação ocorre no momento em que os combatentes do EI se encontram nesta quinta-feira nas proximidades da cidade síria de Kobane (Aïn al-Arab em língua árabe), a poucos quilômetros da fronteira turca.