Parlamento de Hong Kong rejeita reforma apoiada por Pequim

Do total dos deputados, 28 votaram contra e oito a favor e 34 não votaram

Hong Kong – O Legislativo de Hong Kong rejeitou nesta quinta-feira o projeto de reforma eleitoral apoiado por Pequim, colocando fim a um ano de protestos na cidade, que era contra o plano que previa que os candidatos em Hong Kong seriam previamente analisados e indicados por Pequim.

Deputados pró-governo saíram do Legislativo antes da votação, deixando a câmara principalmente com legisladores da oposição, que são pró-democracia, e que tinham prometido que rejeitariam o plano.

Do total dos deputados, 28 votaram contra e oito a favor e 34 não votaram. A exigência é que o texto precisa receber ao menos dois terços dos 70 votos no Conselho Legislativo para ser aprovado.

A rejeição da proposta de reforma foi uma vitória para os legisladores pró-democracia que furaram a sua promessa de rejeitar o plano.

O grupo tinha vindo sob a pressão de Pequim, que disse que eles poderiam ser responsabilizados pelos seus votos.

Foi uma séria derrota para o governo de Hong Kong, que foi obrigado a promover o plano de Pequim, apesar da oposição em Hong Kong.

“Nós usamos o nosso voto sagrado hoje para vetar uma proposta falsa de sufrágio universal”, disse, Alan Leong, deputado pró-democracia. “Nós ajudamos as pessoas de Hong Kong a enviar uma mensagem clara a Pequim que queremos escolha real. Isto não é o fim do movimento pela democracia em Hong Kong. Um novo capítulo começa hoje”.

Para o governo chinês, a derrota foi um golpe para seu esforço de integrar Hong Kong com o continente. E foi uma rara derrota para o partido comunista do país.