Parentes de vítimas de ataques palestinos processam Facebook

Um grupo de israelenses e americanos entrou com uma ação pedindo US$ 1 bilhão em danos contra o Facebook por supostamente facilitar ataques de palestinos

Jerusalém – Um grupo de israelenses e norte-americanos entrou nesta segunda-feira com uma ação pedindo 1 bilhão de dólares em danos contra o Facebook Inc, por supostamente facilitar ataques fatais de militantes palestinos contra seus entes queridos.

Os requerentes, parentes de quatro israelenses norte-americanos com dupla nacionalidade e um turista cidadão dos Estados Unidos que morreram em ataques em Tel Aviv, Jerusalém ou na Cisjordânia ocupada entre 2014 e 2016, acusaram o Facebook de ajudar militantes do Hamas a operarem.

O processo, apresentado na Corte Distrital dos EUA para o Distrito Sul de Nova York, alega que o Facebook “conscientemente forneceu apoio material e recursos para o Hamas … facilita (ndo) a capacidade deste grupo terrorista para se comunicar, recrutar membros, planejar e realizar ataques e provocar medo em seus inimigos”.

A gigante de mídia social não respondeu diretamente à ação judicial, mas disse que seguia seus regulamentos para prevenir conteúdo abusivo e um representante da empresa em Israel disse que a companhia queria que as “pessoas se sentissem seguras” ao usar o Facebook.

A ação vem após a repreensão do ministro de Segurança de Israel sobre o que ele considera a relutância do Facebook para ajudar a rastrear potenciais militantes palestinos e limitar a incitação à violência. Em resposta, o Facebook defendeu seus regulamentos contra o abuso online.