Paraguai será suspenso do Mercosul, diz Patriota

Segundo o chanceler brasileiro, a suspensão será baseada em uma frase do protocolo Ushuaia I

Mendoza – O chanceler brasileiro, Antonio Patriota, garantiu nesta quinta-feira na Argentina que há um consenso entre os países do Mercosul para suspender o Paraguai dos órgãos do bloco, mas esclareceu que não serão aplicadas sanções econômicas.

Patriota indicou que será aplicado o Protocolo sobre Compromisso Democrático no Mercosul, assinado em 1998, por considerar que ”não existe plena vigência democrática” no Paraguai após a cassação de Fernando Lugo como presidente do país.

Segundo o chanceler brasileiro, a suspensão será baseada em uma frase do protocolo Ushuaia I, que fala da suspensão de um país do Mercosul na participação das reuniões do bloco, integrado pela Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai.

Os países do Mercosul já haviam suspendido o Paraguai da cúpula do bloco que começou nesta quinta-feira na cidade argentina de Mendoza e segue até amanhã com a crise do Paraguai como principal tema.

”Estamos elaborando uma decisão que será analisada amanhã pelos presidentes. Discutimos sobre a suspensão do Paraguai nos órgãos do Mercosul. Lamentamos muito esta situação, mas constatamos que não existe plena vigência democrática no país”, afirmou Patriota.

Além disso, o chanceler lembrou que o protocolo Ushuaia I, assinado pelos quatro integrantes do bloco, mais Chile e Bolívia, estabelece ”a plena vigência democrática como condição essencial para o processo de integração”.

Outro tema ressaltado pelo ministro das Relações Exteriores brasileiro é a participação da Venezuela no bloco, para a qual só falta a adesão do Senado do Paraguai. ”O tema da Venezuela estará na agenda e será analisado amanhã pelos presidentes, pois há um interesse de promover sua participação”, disse. De fato, o chanceler venezuelano, Nicolás Maduro, participou hoje da reunião de ministros em Mendoza.

As relações do Mercosul com a China é outro ponto inserido no debate, para ”um diálogo mais frequente e uma cooperação mais fluente”, afirmou Patriota.