Parada gay é proibida em São Petersburgo

Autoridades justificam que parada gay pode violar lei local

Ativistas dos direitos dos homossexuais anunciaram nesta segunda-feira que as autoridades de São Petersburgo (noroeste) proibiram a realização de uma parada do Orgulho Gay prevista para 2 de agosto nas ruas da segunda maior cidade da Rússia.

“As autoridades justificam como pretexto a lei que proíbe propaganda homossexual perto de crianças, que este evento poderia violar”, explicaram os ativistas da ONG GayRussia em um comunicado.

Os organizadores já haviam apresentado um pedido para a realização de uma parada do orgulho gay em 25 de julho, em São Petersburgo, que também foi rejeitado pela administração da cidade “pelas mesmas razões”, segundo o comunicado.

De acordo com a imprensa local, uma associação que reúne militares veteranos expressaram sua “indignação” com a organização da parada gay em 2 de agosto, dia de comemoração das forças aerotransportadas na Rússia.

A Rússia, onde a homossexualidade era considerada um crime até 1993 e como uma doença mental até 1999, aprovou em 2013 uma lei que pune com multas e penas de prisão todos os atos de “propaganda” homossexual ante menores.

Os homossexuais sofrem mais e mais violência, muitas vezes tolerada ou mesmo “incentivada” pelas autoridades, segundo denunciou em dezembro a organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW).