Papa visitará prisão de segurança máxima na América do Sul

A prisão de Palmasola, na Bolívia, é um estabelecimento superpovoado onde 31 pessoas morreram em uma briga entre grupos rivais após um incêndio

Roma – O Papa Francisco visitará, entre outros lugares, uma prisão de segurança máxima e um santuário durante a viagem de uma semana que realizará em julho a Equador, Bolívia e Paraguai, anunciou nesta sexta-feira o Vaticano.

Em sua primeira viagem aos países de língua hispânica, depois de visitar o Rio de Janeiro em julho de 2013 durante a Jornada Mundial da Juventude, o pontífice argentino escolheu três dos países mais pobres da América do Sul.

Chegará a Quito em 5 de julho, domingo, e no dia seguinte viajará a Guayaquil, o motor econômico do país, para celebrar uma missa. Na terça-feira voltará à capital, onde ministrará outra missa.

Na quarta-feira visitará uma residência de idosos administrada pelas Missionárias da Caridade da Madre Teresa, e se reunirá com padres e religiosas antes de viajar a La Paz.

Jorge Bergoglio, de 78 anos, permanecerá apenas algumas horas na capital boliviana, situada a 3.600 metros de altitude, onde se encontrará com as autoridades locais.

O Papa passará a noite de quarta-feira em Santa Cruz de la Sierra (400 metros de altitude), onde celebrará uma grande missa em 9 de julho, quinta-feira, antes de participar de um encontro mundial dos movimentos populares.

No dia 10 o pontífice visitará a prisão de segurança máxima de Palmasola, um estabelecimento superpovoado onde um enorme incêndio provocou uma batalha entre grupos rivais na qual 31 pessoas morreram em agosto de 2013.

Durante a tarde viajará a Assunção, onde visitará um hospital psiquiátrico no dia 11 e celebrará uma missa no santuário da Virgem de Caacupé, local de peregrinação.

Em 12 de julho, domingo, o Papa ministrará uma última missa ao ar livre no parque de Ñu Guazú, perto de Assunção, antes de se reunir com um grupo de jovens.

Francisco retornará provavelmente ao continente em 2016 quando visitar seu país natal, Argentina.