Papa pede perdão aos refugiados pela indiferença do Ocidente

"Muitas vezes não lhes dão as boas-vindas! Perdoem esta mentalidade fechada, essa indiferença de nossa sociedade, que teme as mudanças de vida"

O papa Francisco pediu perdão nesta terça-feira aos refugiados que chegam à Europa pela “indiferença e a mentalidade fechada” com que são tratados pelos países ocidentais.

“Muitas vezes não lhes dão as boas-vindas! Perdoem esta mentalidade fechada, essa indiferença de nossa sociedade, que teme as mudanças de vida e de mentalidade que requer a presença de vocês”, afirmou o papa em uma vídeo-mensagem enviada aos refugiados do centro jesuíta romano Astali, que celebra 35 anos de fundação.

“Eles os tratam como se fossem um peso, um gasto, e vocês são um dom. Vocês são testemunhas de como nosso Deus é clemente e misericordioso e pode transformar o mal e a injustiça que sofrem em um bem para todos. Porque cada um de vocês pode ser uma ponte que une nações distantes e que torna possível o encontro entre culturas e religiões”, explica o pontífice.

“Todos somos migrantes”, afirmou o papa Francisco na ilha grega de Lesbos, símbolo do drama dos refugiados, para os quais pediu uma solução “digna”, dando ele próprio o exemplo, ao retornar para o Vaticano com doze sírios muçulmanos.

Francisco deu uma lição ao mundo, ao receber no avião papal três famílias de refugiados sírios, no total de doze pessoas, para que iniciem vida nova sob a proteção do Vaticano.

Foi um gesto de solidariedade sem precedentes de parte de um pontífice, que se encarregará destas famílias que perderam tudo após terem suas casas bombardeadas.

“É uma gota no mar, mas depois desta gota, o mar não será mais o mesmo”, disse o pontífice à imprensa, durante o voo de volta a Roma.